Há um palacete com apartamentos de luxo em Lisboa. Estão a ser vendidos por um investidor chinês

Estes cinco apartamentos de luxo, inseridos num palacete do século XIX na capital, estão à venda por um investidor chinês. Os preços chegam aos 1,7 milhões de euros.

Já pensou viver num palacete do século XIX em pleno centro histórico de Lisboa? No Príncipe Real, há cinco apartamentos de luxo disponíveis para venda, inseridos num palacete totalmente renovado. Com tipologias de T1 a T3+1, os preços variam entre os 688 mil euros e os 1,7 milhões.

Localizado numa das zonas mais antigas da capital está o Contreiras Palace, mandado construir em 1889. Situado entre as ruas de São Marçal e Cecílio de Sousa, este edifício contempla 11 apartamentos de luxo, com áreas que variam entre os 81 m2 e os 261 m2, mas só cinco estão disponíveis. O projeto é propriedade da Jinling Investment Limited e é o terceiro edifício adquirido por este promotor chinês. Dos apartamentos disponíveis, há um T1, três T2 e um T3+1, cujos preços vão dos 688 mil euros, no caso dos T1, ascendendo à casa dos milhões nas outras tipologias.

Este empreendimento de luxo, comercializado pela Castelhana Real Estate, está “adaptado a um estilo de vida exclusivo e contemporâneo“, diz a consultora imobiliária num comunicado enviado às redações, contemplando ainda garagens e 13 lugares de estacionamento. “Viver no Contreiras Palace no Príncipe Real será um sonho. Trata-se sem dúvida de um dos projetos mais exclusivos de Lisboa e um dos projetos de reabilitação que mais nos orgulhamos de apresentar ao mercado no primeiro semestre deste ano”, diz Patrícia Clímaco, da Castelhana.

O palácio foi mandado construir pelo oficial da Marinha e meteorologista José Augusto Alves do Rio, tendo-se mantido como residência particular até meados dos anos 70, altura em que a Embaixada Britânica o adquiriu para acolher o British Council. Uma das salas, decorada por S. Ordoñez, “com teto em gesso pintado a castanho-escuro a mimetizar trabalho de boiserie em madeira com florão central oval com motivos em ouro”, vai ser transformada numa suíte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há um palacete com apartamentos de luxo em Lisboa. Estão a ser vendidos por um investidor chinês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião