Combustíveis sobem dois cêntimos. Máximo de pelo menos três anos na gasolina

Se pretende abastecer o depósito do seu carro em breve, não espere pela próxima semana. Tanto o gasóleo como a gasolina devem ficar dois cêntimos mais caros na segunda-feira.

Mais uma semana, mais uma subida. Abastecer o carro de combustível vai ficar mais caro a partir do início da próxima semana. O agravamento deverá rondar os dois cêntimos por litro, com o preço da gasolina a ficar em máximos de pelo menos três anos.

De acordo com fonte do setor, é de esperar que a subida de dois cêntimos afete tanto a gasolina como o gasóleo. Um aumento desta ordem colocará o preço do litro de gasóleo em máximos do início deste ano, enquanto o custo da gasolina atingirá a fasquia mais elevada pelo menos desde abril de 2015, período a que remonta o histórico disponibilizado pela Direção-Geral de Energia e Geologia.

De acordo com os dados da Direção Geral de Energia, a gasolina 95 simples custava na última segunda-feira 1,521 euros por litro — perspetivando-se, assim, uma subida do preço até aos 1,541 euros. Quanto ao gasóleo simples, cujo litro custava 1,308 euros no início da semana, tem margem para subir até aos 1,328 euros.

Trata-se assim da sexta semana consecutiva em que os dois tipos de combustível registam aumentos de preços, um movimento que tem acompanhado a escalada das cotações do petróleo nos mercados internacionais. Na passada terça-feira, o preço do barril de brent, que serve de referência para as importações nacionais, superou a fasquia dos 75 dólares, o que já não acontecia há cerca de três anos e meio.

A tendência observada nas cotações do “ouro negro” demonstra que os esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para reduzir a quantidade de petróleo no mercado estão a surtir efeito.

(Notícia atualizada às 12h15 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Combustíveis sobem dois cêntimos. Máximo de pelo menos três anos na gasolina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião