“Nova era de paz” entre Coreias promete acordo de desnuclearização

  • Lusa e ECO
  • 27 Abril 2018

O encontro entre os líderes das coreias do Norte e do Sul é o terceiro do género desde o fim da guerra da Coreia, que terminou em 1953. Kim Jong-un saudou o nascimento de uma "nova era de paz". 

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in (à direita) e o líder da Coreia do Norte Kim Jong-un na Peace House em Panmunjom. EPA/YONHAP SOUTH KOREA OUT

Os líderes das duas Coreias, Kim Jong-un e Moon Jae-in, acordaram, esta sexta-feira, tomar medidas para a “completa desnuclearização” da península coreana, durante a histórica cimeira realizada na fronteira entre os dois países.

“O Sul e o Norte confirmaram a sua meta comum de conseguir uma península livre de armas nucleares através da completa desnuclearização”, refere a declaração conjunta, assinada por ambos os líderes no final da cimeira.

Segundo a BBC News, Kim e Moon também acordaram em trabalhar no sentido de transformar o armistício, que colocou termo à Guerra da Coreia em 1953, em um tratado de paz ainda este ano. O Presidente da Coreia do Sul anunciou ainda que vai visitar a Coreia do Norte no outono deste ano.

De acordo com as imagens transmitidas em direto pelas televisões noticiosas internacionais, os líderes das coreias do Norte e do Sul cumprimentaram-se com um aperto de mão na zona desmilitarizada entre os dois países. Foi nesse local que decorreu a cimeira já classificada de “histórica” entre Kim Jong-un e Moon Jae-in.

Esse aperto de mão entre os líderes da Coreia do Norte deu-se em cima da linha que separa os dois países, com ambos os líderes sorridentes e com o presidente da Coreia do Sul a dizer ao seu homólogo do norte: “Estou feliz por vê-lo”. De seguida Kim Jong-un deu um passo em frente e entrou em território sul-coreano, tendo de imediato convidado Moon Jae-in a saltar consigo a fronteira e pisar solo norte-coreano, novamente sob aplausos dos presentes.

"Uma história nova começa agora – no ponto de partida da história e de uma era de paz.”

Kim Jong-un

Presidente da Coreia do Norte

Segundo a France Press, antes de a cimeira ter início, Kim Jong-un saudou o nascimento de uma nova era de paz. “Uma história nova começa agora – no ponto de partida da história e de uma era de paz”, escreveu o líder norte-coreano no livro de honra colocado nas instalações, no lado sul da fronteira, onde decorrem as conversações. No arranque dos trabalhos, e segundo a Associated Press, Kim Jong-un disse a Moon Jae-in que não iria repetir o passado onde as duas partes se mostraram “incapazes de alcançar acordos”.

Já o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse ao líder norte-coreano que espera da cimeira a conclusão de um “acordo audacioso”.

“Espero que tenhamos discussões francas e que alcancemos um acordo audacioso a fim de oferecer ao conjunto do povo coreano e aos que querem a paz um grande presente”, disse Moon, citado pela France Press. Este encontro é o terceiro do género desde o fim da guerra da Coreia, que terminou em 1953.

Kim Jong-un disponível para visitar Seul

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, mostrou-se disponível para visitar o palácio presidencial do seu homólogo do Sul, em Seul, anunciaram as autoridades sul-coreanas. A disponibilidade do líder norte-coreano surgiu, segundo fontes de Seul, citadas pela Associated Press, depois de Moon Jae-in ter sugerido a realização de mais cimeiras entre os dois líderes da península.

Segundo a mesma fonte, Kim Jong-un disse ainda ao seu homólogo que não voltaria a “interromper o seu sono matinal”, numa alusão a testes de mísseis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Nova era de paz” entre Coreias promete acordo de desnuclearização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião