Coreia do Norte disponível para falar da desnuclearização com os Estados Unidos

Segundo o presidente da Coreia do Sul, Kim Jong-un terá mostrado abertura para iniciar conversações com os Estados Unidos nos sentido de uma desnuclearização. Pede garantias de segurança do regime.

A Coreia do Norte estará disponível para desenvolver conversações com os Estados Unidos e para iniciar um programa de desnuclearização, caso seja garantida a segurança do regime de Kim Jong-un. A indicação foi dada pelo Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que deverá reunir-se com o homólogo norte-coreano numa cimeira em abril na fronteira entre as duas Coreias, de acordo com informações citadas na imprensa internacional. O objetivo é a normalização das relações entre países.

Segundo o The Wall Street Journal [acesso pago], a Coreia do Norte mostrou abertura para negociações a uma delegação sul-coreana no país. O conselheiro de segurança nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, falou mesmo numa “intenção clara de seguir a desnuclearização”. A Coreia do Sul ter-se-á comprometido a não realizar testes a mísseis balísticos, à semelhança dos que levou a cabo no ano passado, durante as negociações.

Há, no entanto, uma condição. De acordo com a Bloomberg, a Coreia do Norte está disposta a explorar este avanço diplomático se não houver qualquer ameaça militar direta e se a segurança do regime norte-coreano for garantida. “A Coreia do Norte expressou a sua intenção de desnuclearizar a península coreana. E, se não existir uma ameaça militar, e se o regime da Coreia do Norte for garantido, clarificou que não há razão para ter armamento nuclear”, acrescentou o gabinete do Presidente Moon.

Este pode ser um primeiro passo no sentido da normalização das relações e no aliviar das tensões geopolíticas entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos. O Presidente norte-americano, Donald Trump, já tinha indicado que a Coreia do Norte teria de mostrar abertura para um programa de desnuclearização antes de serem iniciadas quaisquer conversações.

Cimeira coreana marcada para final de abril

As duas Coreias acordaram realizar uma cimeira na sua fronteira no final de abril, anunciou um emissário sul-coreano após se ter encontrado com o líder norte-coreano Kim Jong-un em Pyongyang.

A cimeira realizar-se-á na localidade de Panmunjom, no meio da zona desmilitarizada (DMZ) que separa a Coreia do Norte da Coreia do Sul, declarou o emissário Chung Eui-yong, conselheiro de segurança nacional da Coreia do Sul.

As Coreias também acordaram abrir uma linha de comunicação de emergência entre os seus dirigentes e a cimeira será precedida de uma conversa telefónica entre Kim Jong-un e Moon Jae-in, precisou.

(Notícia atualizada às 12h03 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coreia do Norte disponível para falar da desnuclearização com os Estados Unidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião