Sitava acusa TAP de “desprezar” trabalhadores de terra e exige aumentos de 5%

  • Lusa
  • 27 Abril 2018

Ou a TAP “assume que todos contribuem para o sucesso e muda de atitude” ou “arrisca-se às consequências”, alertou o Sitava esta sexta-feira, num comunicado dirigido aos seus associados.

O Sitava acusou hoje a TAP de “faltar ao respeito” e “desprezar” os trabalhadores de terra e exigiu aumentos salariais de 5%, iguais aos propostos para os pilotos, bem como uma compensação pela “desconsideração acumulada” em 2017 e 2018.

Num comunicado dirigido aos seus associados, o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) considerou que o momento na TAP é “grave” porque os responsáveis da empresa “decidiram faltar ao respeito a todos os trabalhadores de terra, numa atitude de profundo desprezo por quem trabalha duramente para que outros, agora, sejam compensados”.

Ou a TAP “assume que todos contribuem para o sucesso e muda de atitude” ou “arrisca-se às consequências”, alertou o Sitava, acrescentando que a decisão da companhia aérea “irá trazer consequências gravíssimas à estabilidade laboral”.

O aviso do Sitava ocorre um dia depois de ter sido conhecida a proposta de atualização salarial da administração da TAP para os pilotos que prevê aumentos de 5% este ano e no próximo, de 3% em 2020 e de 1% em 2021 e 2022, num total de 15% em cinco anos, mais a correção da inflação estimada em 9,4%, tal como avançou a Lusa.

A proposta da TAP contempla ainda uma compensação aos pilotos por atraso na progressão técnica e uma outra equivalente a um vencimento bruto anual, pago em duodécimos, que será aplicada “até ser respeitado o limite de 8% das ‘block hours’ [unidade de medida usada na aviação] voadas no ano civil anterior pela TAP”, contratada a empresas pertencentes ao grupo.

“Por acaso os responsáveis [da TAP] já meditaram no que acontecerá se tentarem levar por diante esta discriminação?”, questionou o Sitava, referindo que para os trabalhadores de terra “o ataque às anuidades é feroz e permanente”, com a companhia aérea a recusar a atualização do valor.

O Sitava disse que se reuniu na quinta-feira com o diretor geral de manutenção e engenharia, tendo também reunião pedida ao Presidente da Comissão Executiva e que as propostas do sindicato são “claras”.

“A TAP, na última reunião declarou que apenas aguardava a publicação dos resultados para implementar uma compensação para todos os trabalhadores de terra”, avançou o Sitava.

“Pela nossa parte, que representamos trabalhadores tão dignos e dedicados quanto os outros, não aceitamos nada menos que estes, ou seja, além da reposição do poder de compra perdido pela inflação verificada de 1,4%, exigimos, tal como os outros, um aumento real dos salários de 5%”, lê-se no documento.

Além disso, o Sitava exige uma compensação aos trabalhadores de terra equivalente a um salário referente a 2017 e 2018 “por tanta desconsideração acumulada” e “a pagar imediatamente, tal como aos outros”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sitava acusa TAP de “desprezar” trabalhadores de terra e exige aumentos de 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião