Manuel Pinho disponível para ir ao Parlamento só depois de ser interrogado

O ex-ministro da Economia aceita ir à AR mas impõe condições: tem de ser avisado com antecedência e considera que só o deve fazer depois de interrogado pelo Ministério Público.

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho está disponível para ir Parlamento prestar esclarecimentos sobre os alegados pagamentos pelo GES quando estava à frente do Ministério. No entanto, Manuel Pinho impõe condições para o fazer.

“O doutor Manuel Pinho – tendo sabido da iniciativa do PSD de solicitar a sua audição na Assembleia da República – agradece a oportunidade que lhe é dada e vem dizer que prestará todos os esclarecimentos atinentes às questões que os senhores deputados lhe queiram colocar relativamente quer ao período em que foi Ministro da República, quer antes, quer depois“, lê-se num comunicado enviado por Ricardo Sá Fernandes, advogado do ex-governante.

“O doutor Manuel Pinho está na China, em atividade académica para dar aulas e fazer conferências, mas deslocar-se-á a Portugal quando necessário, desde que avisado com antecedência razoável“, acrescenta o mesmo comunicado.

No entanto, o advogado explica que antes é preciso respeitar calendários. “Todavia, é sabido que as dúvidas que justificam essa diligência nasceram a partir da divulgação pela comunicação social de documentação que constará do processo em que foi constituído arguido (e onde há mais de dez meses aguarda por ser ouvido) e com a qual ainda não foi confrontado pela autoridade judiciária competente. Assim sendo, entende que essa audiência apenas pode ter lugar depois de ser interrogado
pelo Ministério Público.”

Ou seja, Pinho só falará no Parlamento depois de ser interrogado pela justiça.

No domingo, o líder do PSD, Rui Rio, adiantou que o partido vai chamar Manuel Pinho ao Parlamento para que dê esclarecimentos políticos sobre o caso que o envolve. O PS já se juntou a este pedido e o CDS também o apoia.

O Observador avançou a 19 de abril que o ex-ministro socialista recebeu cerca de 1 milhão de euros do saco azul do GES entre 2006 e 2012 – 500 mil euros quando era ministro. O Ministério Público diz que estes recebimentos serviam para beneficiar o BES e a EDP.

Notícia atualizada

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Manuel Pinho disponível para ir ao Parlamento só depois de ser interrogado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião