CDS junta-se ao PSD e ao PS. Quer ouvir Manuel Pinho no Parlamento

Depois de Carlos César e Rui Rio, também Assunção Cristas mostrou-se a favor de uma audição ao antigo ministro da Economia Manuel Pinho. Ainda assim, deputada lembra: não há mecanismos que o garantam.

Depois dos social-democratas e dos socialistas, também os democratas-cristãos querem ouvir Manuel Pinho sobre os alegados pagamentos feitos pelo BES ao ex-ministro da Economia. “O CDS-PP vai viabilizar, votaremos a favor essa proposta”, garantiu, esta segunda-feira, Assunção Cristas, de visita à feira agropecuária Ovibeja.

Apesar de se mostrar a favor da audição, a líder do partido nota que “não há nenhum mecanismo que possa obrigar Manuel Pinho a ir ao Parlamento, uma vez que já não está em funções”. Cristas sublinha que cabe ao antigo governante decidir se dará ou não os esclarecimentos já requeridos pelo PS e pelo PSD.

Segundo a investigação publicada pelo Observador, há suspeitas de que Manuel Pinho tenha recebido, entre 2006 e 2012, cerca de um milhão de euros por “ordem de Ricardo Salgado”.

De acordo com o jornal, os pagamentos terão sido realizados a “uma nova sociedade ‘offshore’ descoberta a Manuel Pinho, chamada Tartaruga Foundation, com sede no Panamá, por parte da Espírito Santo (ES) Enterprises — também ela uma empresa ‘offshore’ sediada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas e que costuma ser designada como o ‘saco azul’ do Grupo Espírito Santo”.

No domingo, o presidente do PSD afirmou que vai pedir a audição do ex-governante. Esta segunda-feira, também Carlos César já se mostrou “favorável” a essa audição “o mais depressa possível”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS junta-se ao PSD e ao PS. Quer ouvir Manuel Pinho no Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião