Moscovici destaca “desempenho robusto” de Portugal

  • Lusa
  • 3 Maio 2018

O comissário europeu não comenta a contabilização da CGD para o défice e prefere destacar o "desempenho robusto" de país. A "abordagem cuidadosa" de Bruxelas não muda os bons resultados, diz.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, escusou-se, esta quinta-feira, a comentar a decisão do Eurostat de incluir a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no défice orçamental, realçando antes o balanço orçamental “muito positivo” de Portugal.

“O Eurostat é um organismo independente e todos nós temos de respeitar as suas decisões. Pode haver um diálogo entre o Governo e o Eurostat, mas não me cabe a mim comentar”, declarou o comissário, quando questionado sobre a decisão do gabinete oficial de estatísticas de contabilizar o impacto da operação na CGD no défice português de 2017, que subiu assim de 0,9% para os 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Intervindo na conferência de imprensa de apresentação das “Previsões Económicas da Primavera”, divulgadas esta quinta-feira pelo executivo comunitário em Bruxelas, Moscovici destacou antes o “desempenho robusto” do país e comentou que a “abordagem cuidadosa” da Comissão, nas suas projeções”, “não muda o resultado” e, “olhando para o balanço orçamental, o mesmo é muito positivo para Portugal”.

Nas previsões publicadas esta manhã, Bruxelas estima que o défice português deste ano e do próximo seja superior ao previsto pelo Governo, de 0,9% e 0,6% do PIB, respetivamente, e admite que novos apoios à banca possam piorar as estimativas. A Comissão Europeia projeta um défice orçamental português de 0,9% do PIB, “com o impacto de outras operações de apoio à banca, em particular a ativação do Mecanismo de Contingente de Capital do Novo Banco (0,4% do PIB), enquanto o défice excluindo medidas extraordinárias deve melhorar para 0,5% do PIB”.

A estimativa da Comissão fica acima do previsto pelo executivo liderado por António Costa que, no Programa de Estabilidade, estima um défice de 0,7% do PIB este ano, incluindo o empréstimo que o Estado terá de fazer ao Fundo de Resolução para recapitalização do Novo Banco.

Em março passado, o ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou que “está errada” a contabilização pelas autoridades estatísticas da recapitalização da CGD no défice orçamental, já que entende que a operação de aumento de capital foi feita fora do regime de ajudas de Estado, pelo que é um investimento do acionista no banco público.

“O Eurostat preconiza um registo da capitalização da CGD no défice que está errado. É contrário à decisão da Comissão Europeia, contraria os tratados europeus e não representa condignamente o investimento feito na CGD pelo seu acionista, o Estado português”, afirmou então.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici destaca “desempenho robusto” de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião