Hoje nas notícias: Sócrates, Granadeiro e subsídios

  • ECO
  • 4 Maio 2018

José Sócrates saiu do PS, depois da vaga de críticas por parte de altas figuras do partido. Henrique Granadeiro perdeu na Justiça contra a Pharol. Parlamento pode reduzir o subsídio de viagens.

O ex-primeiro-ministro, José Sócrates, que também é um dos principais arguidos da Operação Marquês, decidiu sair do PS depois das críticas que lhe foram dirigidas por parte de altas figuras do partido. Henrique Granadeiro perdeu na Justiça contra a Pharol, principal acionista da operadora brasileira Oi.

Críticas levam Sócrates a abandonar o PS

A recente onda de críticas do PS ao ex-primeiro-ministro, José Sócrates, levaram o também principal arguido da Operação Marquês a entregar a cartão de militante ao partido. O líder parlamentar, Carlos César, foi o primeiro a abrir a porta a José Sócrates, depois de considerar que o partido tinha “vergonha” do caso. Opiniões semelhantes foram emitidas nas últimas quatro horas, pela voz do deputado João Galamba. O próprio primeiro-ministro, António Costa, disse que, a confirmarem-se, estes casos de corrupção seriam uma desonra para a democracia. José Sócrates deixa assim o PS e indicou, numa carta, que “é chegado o momento de pôr fim” ao embaraço “mútuo”. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso condicionado).

Henrique Granadeiro perde primeira batalha contra a Pharol

O empresário e gestor Henrique Granadeiro intentou uma ação para anular uma deliberação tomada pela Pharol em assembleia-geral, que aprovou a propositura de ações contra ex-administradores da empresa. Em causa, o investimento de 897 milhões de euros em instrumentos de dívida da Rio Forte, sociedade do GES, que nunca reembolsou o montante. No entanto, essa tentativa de anular a decisão da Pharol foi indeferida pelo tribunal. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso condicionado).

Parlamento pode mudar regras dos subsídios de viagens

Deverão surgir mudanças na forma como a Assembleia da República (AR) atribui os subsídios para despesas de transporte aos deputados — isto depois da polémica com os pagamentos e reembolsos das viagens de alguns deputados eleitos pelas regiões autónomas. Estarão em cima da mesa duas hipóteses: ou o Parlamento reduz o valor que é pago aos deputados todas as semanas, ou passam a ser os serviços da AR a garantir a compra dos bilhetes de avião. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Táxis vão ter limite de idade

Os táxis que tenham mais de uma década de idade deverão sair das estradas portuguesas, ao abrigo do acordo a que chegou o grupo de trabalho para a modernização do setor do táxi, promovido pelo Governo. A informação foi avançada pelo secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, que salientou que, até ao final do verão, as conclusões do grupo deverão estar fechadas. Leia a notícia completa na TSF.

Ana Pinho: “Não vemos os proprietários como inimigos”

A secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, dá uma entrevista esta sexta-feira onde garante que os proprietários de imóveis não são vistos “como inimigos” pelo Governo. Ana Pinho é a autora das propostas de lei que o Governo leva a discussão na AR esta sexta-feira. Na entrevista, considera também que as metas da política de habitação do Governo só são alcançáveis se houver um aumento da oferta privada. Leia a entrevista completa no Jornal de Negócios (acesso condicionado).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Sócrates, Granadeiro e subsídios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião