Propostas de alteração ao arrendamento vão ser discutidas até junho

Em cima da mesa estão 14 propostas dos partidos da esquerda e do Governo, que visam introduzir várias alterações ao mercado de arrendamento.

Todas as propostas de lei que visam alterar o mercado de arrendamento e que começaram a ser discutidas esta sexta-feira na Assembleia da República, incluindo as propostas do Governo, baixaram à comissão sem votação, para serem discutidas na especialidade. Os deputados irão agora discutir estes projetos até meados de junho.

Os diplomas baixaram à Comissão do Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, por requerimento de todos os partidos que tinham apresentado propostas. A discussão vai decorrer durante 45 dias, ou seja, até meados de junho.

Em cima da mesa está mais de uma dezena de propostas, dos partidos da esquerda e do próprio Governo, que visam introduzir várias alterações ao mercado de arrendamento. O PCP propõe a revogação do atual regime jurídico do arrendamento urbano, tal como Os Verdes. Já o Bloco de Esquerda apresentou quatro propostas, incluindo a definição de limites aos aumentos das rendas e a extinção do Balcão Nacional de Arrendamento, bem como a atribuição de benefícios fiscais, mas com limites às rendas praticadas.

Pelo Governo, foram apresentadas três propostas, no âmbito da Nova Geração de Políticas de Habitação. O Executivo propõe baixar o imposto sobre os rendimentos obtidos com rendas para os senhorios que celebrem contratos de longa duração; a criação de um programa de arrendamento acessível; e a proteção dos inquilinos idosos ou com deficiência.

Também a direita avançou com propostas para o mercado de arrendamento. O PSD diz que vai apresentar “nove propostas sobre esta matéria”, que são “decisivas e que defendem as pessoas, quer sejam senhorios quer sejam inquilinos”. Já o CDS-PP propõe reduzir o imposto sobre os rendimentos prediais para promover o arrendamento de longa duração.

Na sessão plenária que decorreu esta sexta-feira, a deputada socialista Helena Roseta referiu que o objetivo é agora chegar a uma posição conjunta de todos os partidos. “Vamos a debate, vamos construir uma maioria política estável em torno desta matéria para podermos responder ao povo português, que está dela à espera há muitos anos”, afirmou.

Os restantes partidos mostraram também abertura para discutir as propostas e introduzir eventuais alterações. “O espírito de diálogo e abertura do PS é total em relação às suas propostas, às do Governo e às dos restantes partidos. Com a discussão que a partir de hoje se gerará, a expectativa é de que a habitação nunca mais volte a ser o parente pobre da política”, sublinhou Pedro Torres, do PS.

(Notícia atualizada às 13h34 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Propostas de alteração ao arrendamento vão ser discutidas até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião