CaixaBank já tem mais de 90% do BPI. Quer tirar banco da bolsa

O CaixaBank comprou ao grupo Allianz ações representativas de 8,425% do BPI. Com esta operação passa a deter 92,935% do capital do banco. Banco espanhol quer agora retirar o BPI da bolsa.

O CaixaBank comprou ao grupo Allianz ações representativas de 8,425% do BPI, passando a deter 92,935% do capital do banco, informou o banco espanhol ao mercado. Com esta posição o CaixaBank já tem o capital necessário para retirar o banco português da bolsa. É precisamente isso que vai pedir.

“O CaixaBank informa que acordou adquirir de sociedades do grupo Allianz ações representativas de 8,425% do capital social do Banco BPI”, começa por dizer o banco espanhol em comunicado enviado à CMVM, acrescentando que “em virtude desta aquisição, o CaixaBank passa a deter 92,935% do capital social do Banco BPI”.

O banco dá conta que o preço total desta aquisição ascendeu a perto de 180 milhões de euros (177.979.336,50 euros), o que corresponde a 1,45 euros por cada ação. Ou seja, o um prémio de 22,67% face à atual cotação que se encontra nos 1,182 euros.

Com este reforço de posição no BPI, o banco espanhol ultrapassa a fasquia dos 90% de capital. Esta posição já lhe permite convocar uma assembleia geral extraordinária do BPI e conseguir aprovar a retirada do banco da bolsa nacional.

Este é precisamente o passo seguinte que o CaixaBank pretende dar. “É intenção do CaixaBank requerer, nas próximas semanas, ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral do Banco BPI uma reunião para aprovar a perda de qualidade de sociedade aberta do Banco BPI, nos termos e para os efeitos do artigo 27.º, n.º 1, b) do Código dos Valores Mobiliários”, refere o comunicado divulgado este domingo.

Caso a assembleia geral do Banco BPI e a CMVM aprovem a perda de qualidade de sociedade aberta, o CaixaBank informa que pretende adquirir todas as ações que ainda não detém, pagando para tal também 1,45 euros por título. “Assim que o Banco BPI deixe de ser uma sociedade aberta após a aprovação da CMVM, o CaixaBank pretende proceder à aquisição potestativa das restantes ações ao mesmo preço de 1,45 euros por ação, nos termos do artigo 490.º do Código das Sociedades Comerciais”, acrescenta ainda o grupo bancário espanhol.

O CaixaBank diz ainda que o investimento que fará para a aquisição dessas restantes ações do BPI que ainda não detém será de 149,3 milhões de euros, realçando que a contrapartida oferecida representa “um prémio de 22,16% relativamente ao preço médio ponderado dos últimos seis meses.”

Foi em janeiro de 2017 que o CaixaBank lançou uma OPA sobre o BPI, tendo ficado com 84,52% do capital do banco português. Na altura ofereceu um preço unitário de 1,134 euros, abaixo daquele que se dispõem agora a pagar para ficar com as ações que ainda não detém.

Após a concretização do negócio, o BPI foi excluído do PSI 20, em fevereiro do ano passado, sendo que o mercado já antecipava que mais cedo ou mais tarde, o banco acabasse por sair definitivamente do mercado português. Tal parece estar agora para breve.

(Notícia atualizada às 18h35 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBank já tem mais de 90% do BPI. Quer tirar banco da bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião