Freguesias querem estar em pé de igualdade com os municípios no acesso a fundos europeus

  • Lusa
  • 9 Maio 2018

"Freguesias não defendem ter um acesso privilegiado em relação aos municípios aos fundos comunitários”, diz a Anafre. Mas querem estar em pé de igualdade com os municípios.

O presidente da Associação Nacional de Freguesias (Anafre) disse que as freguesias querem estar em pé de igualdade com os municípios na apresentação de projetos a fundos europeus, submetendo-se depois à mesma avaliação do mérito das propostas.

Pedro Cegonho, que falava numa audição parlamentar da comissão eventual que está a colher contributos para o quadro comunitário entre 2020 e 2030, destacou que “as freguesias não defendem ter um acesso privilegiado em relação aos municípios aos fundos comunitários”, mas defendeu ser “fundamental soluções que possam ser utilizadas por todos independentemente da sua dimensão”.

O autarca destacou que as freguesias estão formalmente presentes em todos os comités de avaliação e acompanhamento dos fundos e têm acesso a toda a informação.

"Quanto maior for o peso [no modelo atual] na ‘governance’ dos fundos comunitários, nomeadamente dos Programas Regionais, das CIM, mais afastadas as freguesias são do acesso aos fundos”

Pedro Cegonho

Presidente da Anafre

“Mas o balanço que fazemos é que isso tudo só faz sentido se as freguesias, enquanto entidades públicas, puderem estar em pé de igualdade a apresentar os seus projetos ao lado dos municípios, sujeitando-se à avaliação das agências de gestão, das equipas que fazem a avaliação dos projetos e que depois, obviamente, aplicam as pontuações devidas”, salientou.

No entanto, Cegonho destacou que, no atual modelo de ‘governance’, há um ponto em que a presença das freguesias falha, que são as Comunidades Intermunicipais (CIM).

“Quanto maior for o peso [no modelo atual] na ‘governance’ dos fundos comunitários, nomeadamente dos Programas Regionais, das CIM, mais afastadas as freguesias são do acesso aos fundos”, realçou.

A razão prende-se, de acordo com o autarca, com o facto de que “tudo o que diga respeito às CIM, no próprio modelo de ‘governance’ e de constituição dessas CIM, são exclusivas dos municípios”.

“É esse o motivo formal porque o acesso aos fundos está vedado, porque se as entidades dos pactos são quem está nessas CIM, que são só municípios, logo todas as entidades públicas, outras autarquias locais, que não fazem parte estão fora do acesso a esses fundos”, salientou, defendendo “ser um modelo que deve incluir as freguesias, sob pena de todos os projetos das freguesias serem desde logo rejeitados”.

Em termos gerais, considerou que as freguesias podem ajudar em projetos relacionados com a maior partilha de poder entre os diferentes níveis de organização do Estado, nas matérias de transição da sociedade para uma economia sem carbono e de combate às alterações climáticas, nos desafios do envelhecimento da população, da inversão do despovoamento do interior e na “maior participação das pessoas na vida pública, no crescimento de uma economia de partilha, onde as políticas de proximidade podem ser essenciais”.

Quanto aos objetivos definidos e aos valores a distribuir por Bruxelas entre 2020 e 2030, Pedro Cegonho salientou que têm “défices”.

Achamos que deve haver um reforço das áreas da coesão e a proposta da Comissão Europeia não nos satisfaz, porque, quando chega ao território, tem défices”, disse, salientando que a proposta de Bruxelas “deverá ter da República Portuguesa contributos para que os défices possam ser retificados”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Freguesias querem estar em pé de igualdade com os municípios no acesso a fundos europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião