Revista de imprensa internacional

  • Marta Santos Silva
  • 11 Maio 2018

Israel e o Irão trocam tiros sobre a Síria, a Apple prepara-se para lançar crédito com a Goldman, e o petróleo poderá subir até aos 100 dólares. Estas e outras duas notícias que marcam a atualidade.

A atualidade internacional é marcada esta sexta-feira pelo conflito entre Israel e o Irão, que trocam tiros sobre a Síria ameaçando defrontar-se após acusações de parte a parte sobre o acordo nuclear. O petróleo poderá continuar a subir de preço, diz o Goldman Sachs, e a Air France perdeu 8,7% dos passageiros durante a greve de abril. Fique a conhecer as notícias que marcam esta sexta-feira.

Expansión

Fisco vai tributar empresas espanholas com sucursais em offshores

O Governo espanhol vai começar a taxar as sucursais de empresas espanholas que se situem em territórios de baixa tributação e paraísos fiscais. O Governo quer ajustar-se às exigências da União Europeia para a transparência fiscal além-fronteiras. O imposto às tecnológicas, que deverá servir para financiar o aumento das pensões, poderá bem já render 600 milhões em 2018 — esta nova iniciativa fiscal servirá para reforçar ainda mais este fundo. Leia a notícia completa no Expansión. (Conteúdo em espanhol / Acesso livre)

The New York Times

Israel e Irão trocam tiros na Síria

Aviões israelitas atingiram alvos iranianos na Síria esta quinta-feira, em resposta a alegados ataques iranianos lançados contra Israel a partir da Síria. O ministro da Defesa de Israel afirmou que as bases militares iranianas na Síria estariam quase todas destruídas após o ataque. A tensão entre os dois países tem aumentado, em parte devido à posição de Donald Trump em relação ao acordo nuclear com o Irão, do qual retirou os Estados Unidos. Leia a notícia completa no The New York Times. (Conteúdo em inglês / Acesso condicionado)

Wall Street Journal

Apple e Goldman Sachs vão criar cartão de crédito

A tecnológica Apple e o banco de investimento Goldman Sachs estarão a preparar-se para lançar um cartão de crédito de marca Apple Pay em conjunto, já em 2019. A ideia é ajudar a Apple a expandir o seu negócio de pagamentos e ajudar o Goldman a alargar o seu mercado de consumo. A parceria também envolveria empréstimos do Goldman para a aquisição de dispositivos Apple, por exemplo. Leia a notícia completa no Wall Street Journal. (Conteúdo em inglês / Acesso condicionado)

CNN Money

Bank of America diz que petróleo pode chegar aos 100 dólares

Os analistas do Bank of America consideram que a queda da produção de petróleo na Venezuela e possíveis disrupções das exportações do Irão poderão impulsionar o preço do crude para chegar aos 100 dólares por barril no próximo ano. Só no último mês, o Brent já subiu aos 77 dólares por barril. Leia a notícia completa na CNN. (Conteúdo em inglês / Acesso livre)

Le Monde

Air France perdeu 8,7% dos passageiros na greve de abril

A Air France anunciou esta sexta-feira que em abril transportou 8,7% menos passageiros devido aos oito dias de greve dos seus funcionários. A holandesa KLM, por sua vez, viu aumentar 5,2% os passageiros transportados no mesmo período relativamente ao ano anterior, mas não foi suficiente para salvar o grupo Air France/KLM de perder 2,5% de passageiros no total. Os funcionários da Air France pretendem aumentos salariais. Leia a notícia completa no Le Monde. (Conteúdo em francês / Acesso livre)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião