Diplomatas ofendidos com elogio de Marcelo aos irmãos Sobral

  • ECO
  • 11 Maio 2018

O Presidente afirmou que Luísa e Salvador são "embaixadores mais qualificados e eficientes que a generalidade". A classe ficou ofendida e já respondeu a Marcelo.

Após Marcelo Rebelo de Sousa ter afirmado que os irmãos Sobral, representantes de Portugal na Eurovisão na edição passada eram “embaixadores mais qualificados e mais eficientes que a generalidade da diplomacia” portuguesa, a classe sentiu-se ofendida e enviou um protesto para o Palácio de Belém.

Como notícia esta sexta-feira o Público, a Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses (ASDP), que representa 350 dos 463 diplomatas nacionais, e único sindicato da carreira afirma que as declarações de Marcelo “colocam em causa a competência e profissionalismo” daqueles que exercem.

“Não posso deixar de lamentar as declarações proferidas por Vossa Excelência a propósito da ‘generalidade da nossa diplomacia’ que colocam em causa a competência e profissionalismo de toda uma carreira especial do Estado, denegrindo a sua imagem e, como tal, a própria credibilidade das instituições públicas”, pode ler-se na carta escrita pelo embaixador João Ramos Pinto, presidente do conselho diretivo da ASDP.

As palavras de Marcelo foram proferidas ao condecorar Luísa e Salvador Sobral com o grau de comendadores da Ordem de Mérito. “Na prática, são embaixadores de Portugal. Por mérito próprio. Por mérito do seu talento e da sua aplicação”, afirmou o Presidente. Depois, e à parte do guião, acrescentou: “E, com todo o respeito que me merecem os nossos embaixadores, são embaixadores mais qualificados e mais eficientes do que a generalidade da nossa diplomacia.”

Em resposta ao contacto do jornal, o Presidente afirmou, por escrito, que “não está, nem nunca esteve em causa, a excelência da nossa diplomacia. Mas a própria realização, neste momento, do Festival Eurovisão da Canção em Lisboa fala por si quanto à projeção alcançada por quem, pela sua qualificação e eficácia, projeta a imagem de Portugal no mundo.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diplomatas ofendidos com elogio de Marcelo aos irmãos Sobral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião