Comprar ou arrendar? Em 18 anos, rendas pagam o valor da casa toda

As rendas estão a disparar em Portugal. Ao fim de 18 anos a pagar rendas, um inquilino já desembolsou o suficiente para pagar o valor de venda da casa onde habita.

Não há sítio do país onde compense arrendar em vez de comprar. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) permitem, pela primeira vez, fazer uma comparação entre valores oficiais de compra e de arrendamento e a conclusão é que, mesmo nas zonas do país de maior pressão imobiliária, onde os preços de venda estão manifestamente inflacionados em relação à mediana nacional, comprar uma casa sai sempre mais barato do que arrendar, contando que tem dinheiro disponível suficiente para dar uma entrada. Ao fim de 18 anos a pagar rendas, um inquilino já desembolsou o suficiente para pagar o valor de venda da casa onde habita. Em algumas cidades, uma renda chega a custar mais de 60% em relação ao custo mensal de manter uma casa própria.

O ECO fez as contas com base nos valores medianos, por metro quadrado, de arrendamento e de venda, para cada capital de distrito do país, disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No caso do arrendamento, considerou-se apenas o valor da renda.

Já no caso da venda, há dois cenários a ter em conta. No primeiro, considera-se apenas o valor da venda. No segundo, contabilizam-se os custos que a propriedade de uma casa acarreta: a prestação mensal do crédito contraído para comprar a casa (incluindo o montante emprestado, juros, seguros e comissões), com base nos cálculos do simulador do Banco de Portugal, o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a pagar a cada ano, o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) e o imposto de selo a pagar no momento da compra.

Tanto no arrendamento como na compra, excluem-se despesas como água, luz e gás.

Olhando para o primeiro cenário, em que é considerado apenas o valor mediano de venda por metro quadrado, comprar uma casa de 100 metros quadrados em Portugal custa 93.200 euros. Arrendar a mesma casa custa 439 euros por mês.

Significa isto que, antes de completar 18 anos de um contrato de arrendamento (mais precisamente, ao final de 17 anos, oito meses e uma semana), o inquilino já gastou dinheiro suficiente para pagar essa casa, assumindo que a renda se mantém durante estes anos. Na maioria dos casos, de acordo com os dados do Banco de Portugal, o prazo definido nos créditos contraídos junto da banca para a compra de casa é superior a 30 anos.

Pode demorar ainda menos. Em Braga, Santarém e Beja, os inquilinos não chegam a viver 15 anos numa casa para pagá-la em rendas. Por outro lado, em Lisboa são precisos 21 anos para pagar o valor total da casa em rendas.

Qual o valor mediano de uma casa de 100m2?

Cálculos feitos com base nos dados do INE relativos ao valor mediano por metro quadrado de arrendamento e de venda.

Arrendar chega a custar mais 60% do que comprar casa

Os valores variam de região para região, mas há um traço comum: ao final do mês, mesmo contando com os custos dos impostos, seguros, comissões e juros associados aos empréstimos junto da banca, arrendar custa sempre mais do que comprar.

Para estas simulações, que comparam os custos mensais de arrendar ou comprar uma casa de 100 metros quadrados, num edifício com dez anos, sem garagem ou qualquer outro elemento de majoração, em cada capital de distrito do país, assumiram-se os seguintes pressupostos: o montante do financiamento é de 60% do valor total do imóvel, com um prazo de 30 anos, uma taxa de juro anual de 1,31% (calculada com um spread de 1,5%, ao qual se desconta a média mensal de -0,19% da Euribor a 12 meses). Para o cálculo do IMI, assumiu-se que o valor patrimonial tributário (VPT) é igual ao valor da venda. Excluíram-se os custos com condomínios e reparações e, tanto no arrendamento como na compra, excluíram-se despesas com água, gás, luz e outros serviços.

As diferenças de custos chegam a ultrapassar os 60%. Lisboa, a zona mais cara do país quer para arrendar, quer para comprar casa, é a cidade onde a diferença entre uma e outra opção é menor. Arrendar uma casa na capital tem um custo mediano de 962 euros por mês. Comprar a mesma casa terá um custo mediano de 243.800 euros. Ao fim do mês, contabilizados todos os custos, o proprietário de uma casa em Lisboa terá de pagar, durante 30 anos, 853 euros por mês.

Já no Porto, onde os custos com a habitação também são muito superiores aos da mediana nacional, a renda de uma casa com 100 metros quadrados custa 677 euros por mês. O custo mensal da compra desta mesma casa será de 450 euros por mês, ao longo de 30 anos.

No espetro oposto, Beja é a cidade onde a diferença de custos do arrendamento e da compra é maior: custa mais 68,9% arrendar.

Nota: Valores em euros

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comprar ou arrendar? Em 18 anos, rendas pagam o valor da casa toda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião