Há 20 anos que portugueses não metiam tantas baixas médicas

  • ECO
  • 14 Maio 2018

As baixas médicas dispararam. Apesar do aumento da fiscalização, a Segurança Social registou no arranque do ano um número recorde de trabalhadores em casa por doença.

As baixas médicas dispararam. Apesar do aumento da fiscalização, a Segurança Social registou no arranque do ano um número recorde de trabalhadores em casa por doença. Nos primeiros três meses do ano, foram pedidas cinco mil baixas médicas por dia. Ou seja, mais 800 em comparação com o período homólogo. Há 20 anos que os portugueses não metiam tantas baixas.

De acordo com a TSF, em janeiro, fevereiro e março, contam-se 450 mil subsídios por doença, o que representa um aumento de 18% face ao mesmo período do ano passado. A última vez que se tinham registado números semelhantes foi em 2011 (435 mil) quando a população a trabalhar era superior à de hoje.

Fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social confirmou que este crescimento já foi detetado, nomeadamente pelo aumento da despesa. Contudo, o Governo refere que, em comparação com os dois anos anteriores, a relação entre a despesa e a receita das contribuições para a Segurança Social “se mantém estável”. Ou seja, “usando o indicador da despesa (mais fiável do que o número de baixas) podemos concluir que a tendência observada acompanha o crescimento do emprego”.

Para o presidente da Associação Portuguesa de Médicos de Família, o aumento da população ativa pode explicar o aumento das baixas. Mas não é o único motivo. Rui Nogueira acredita que há várias razões que justificam este aumento das baixas, nomeadamente um surto de bronquite e o aumento da população ativa com mais de 50 ou 60 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 20 anos que portugueses não metiam tantas baixas médicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião