Supervisor barra entrada dos chineses no negócio de seguros do Montepio

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões considerou "não instruída" a proposta de entrada dos chineses da CEFC China Energy no negócio dos seguros do Montepio.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) considerou “não instruída” a proposta de entrada dos chineses da CEFC China Energy no negócio dos seguros do Montepio, “ficando prejudicada a sua análise”.

A situação estava a ser avaliada desde dezembro pelo regulador, no entanto, o processo acabou por ser encerrado devido à falta de respostas aos pedidos de esclarecimento enviados aos chineses, escreve o Público (acesso condicionado).

Na sequência desta situação, na reunião do Conselho de Administração que decorreu na passada quinta-feira, a ASF decidiu “considerar não instruída a comunicação prévia, da CEFC China Energy Company Limited e do Shangai Huaxin Group (Hong Kong) Limited, para aquisição de participação qualificada na Montepio Seguros, SGPS, S.A., ficando prejudicada a sua análise”, de acordo com o site oficial, numa nota publicada a 10 de maio.

Desta forma, para reabrir o processo, o grupo chinês teria de voltar a ser avaliado pelo regulador, de maneira a ser aberto um novo dossiê.

Este interesse por parte dos chineses foi anunciado no final do ano passado, que incluía a venda de, pelo menos, 60% da holding do grupo Montepio — Lusitânia Seguros, a Lusitânia Vida, a N Seguros e Futuro e a Sociedade Gestora de Fundos e Pensões — mas sem incluir a Futuro no negócio. Esta operação previa um investimento entre 150 e 200 milhões de euros e iria aliviar a pressão financeira que se vivia no grupo nacional.

Recorde-se que, para além desta operação, o grupo chinês mostrou ainda interesse na petrolífera da Fundação Calouste Gulbenkian, no entanto, a Fundação anulou as negociações na sequência dos casos de corrupção que envolveram a CEFC China Energy. Contactada, pelo ECO, fonte oficial da Gulbenkian disse ao ECO que ainda não há desenvolvimentos na tentativa de alienação da Partex.

(Notícia atualizada às 17h30 com mais informação)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Supervisor barra entrada dos chineses no negócio de seguros do Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião