Concurso de inovação leva dois projetos ‘startup’ de Macau a Lisboa

  • Lusa
  • 15 Maio 2018

Os dois projetos de Macau vencedores do prémio "Fosun Protechting" foram hoje eleitos e vão poder participar num programa acelerador de 'start up' durante três meses em Lisboa.

Os dois projetos de Macau vencedores do prémio “Fosun Protechting” foram eleitos esta terça-feira e vão poder participar num programa acelerador de ‘startup’ durante três meses em Lisboa.

“O concurso atraiu vários projetos talentosos, 60% dos quais vêm de Macau, o que demonstra um grande investimento na inovação por parte da Região”, afirmou o diretor executivo da Parafuturo de Macau, Chui Sai Peng, durante o discurso de abertura do Concurso de Inovação e Empreendedorismo daquela empresa.

Estes prémios foram atribuídos no âmbito de um concurso geral de inovação e empreendedorismo e do Fórum da Mesa Redonda de Tecnologia lançados pela Parafuturo de Macau.

Os projetos vencedores do prémio foram a “An ambient cell-tranpostation System” e o “Next generaton Analytical Products and Services for Clinical and Research Markets”, dedicados às novas tecnologias, à análise de dados e marketing.

A iniciativa foi coorganizada com a Aliança de Educação da Inovação e Empreendedorismo da China, a Fundação Fosun e o Centro de Inovação e Qualidade Alibaba.

“Este ano resolveu incluir-se também Macau selecionando duas ‘startup’ para poderem participar no programa”, declarou à Lusa, o fundador e presidente executivo da Beta I, Pedro Rocha Vieira, à margem do Fórum da Mesa Redonda de Tecnologia.

“Somos parceiros da Fosun e da Fidelidade neste programa de aceleração Protechting, um programa de invocação aberta que nós desenvolvemos em conjunto”, disse ainda o presidente da organização dedicada a apoiar ‘startup’ e a fomentar ecossistemas empresariais.

Entre muitos oradores no Fórum da Mesa Redonda de Tecnologia, destacam-se a vice-presidente da Fosun Internacional, Julia Gu, o diretor adjunto do Departamento para os Assuntos Económicos do Gabinete de Ligação da China em Macau, Xu Jun, e o diretor de operações da Alibaba Innovation Center.

Além do “Fosun Protechting”, foram atribuídos mais dois prémios a equipas de Macau, no valor de dez mil patacas (cerca de mil euros) cada.

O prémio de Inovação e Empreendedorismo da Parafuturo de Macau (IEEAC), escolheu dois projetos para participar no “Pequim, Tianjin e Hebei – Concurso de inovação e empreendedorismo de juventude de Guangdong, Hong Kong e Macau” e o prémio “Competição de Start up Alibaba Cloud”, que também selecionou dois vencedores para participar num concurso da Create@Alibaba Cloud (CACSC), a realizar em Hangzhou, na China.

Foram atribuídos ainda três prémios no valor de 30 mil patacas, 20 mil e dez mil, respetivamente, às três melhores propostas de entre 16 selecionadas por um júri.

À margem do evento, Pedro Rocha Vieira defendeu haver espaço para as empresas tecnológicas portuguesas entrarem no mercado chinês, dando ênfase à ligação entre as ‘startup’ e as grandes empresas portuguesas.

“Há espaço para as empresas tecnológicas portuguesas, através de parcerias integradas, entrarem no mercado chinês”, afirmou.

Pedro Rocha Vieira referiu a importância da ligação entre as ‘startup’ e as grandes empresas “nos vários setores de atividade”.

Devido “ao incrível crescimento” da China nos últimos anos, Pedro Rocha Vieira defendeu a importância que Macau pode ter como porta de entrada para as empresas europeias.

“Tudo o que tem acontecido nos últimos anos na China é incrível e esta zona do Delta das Pérolas, vai ser umas das principais zonas da China e Macau tem um papel a desempenhar nesta zona e acho que para a Europa é muito interessante poder explorar melhor o mercado chinês também através de Macau”.

Além das nove províncias da região (Fujian, Jiangxi, Hunan, Guangdong, Guangxi, Hainan, Sichuan, Guizhou, Yunnan) a Região do Delta das Pérolas inclui ainda Macau e Hong Kong.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concurso de inovação leva dois projetos ‘startup’ de Macau a Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião