Altri dispara 10%. Papeleiras em recorde à boleia da consolidação

As ações da papeleira lideram os ganhos do PSI-20, num dia marcado por máximos históricos para as papeleiras nacionais. Movimentos de consolidação no setor e resultados puxam pelas ações.

A Altri é a estrela que mais brilha, num dia em que as papeleiras sobressaem pela positiva na praça lisboeta e com recordes históricos. As ações da papeleira comandada por Paulo Fernandes lideram os ganhos do PSI-20, depois de já terem estado a valorizar mais de 10% para assinalar um novo máximo de sempre. Sinais de consolidação no setor do papel são um dos principais motores dos ganhos da Altri, mas também das restantes papeleiras nacionais.

As ações da Altri seguem a valorizar 7,95%, para os 7,20 euros, liderando os ganhos do PSI-20, depois de já terem disparado 10%, para marcar um novo máximo histórico nos 7,35 euros. As restantes papeleiras — Semapa e Navigator — seguem-se-lhe com os segundos e terceiros melhores registos do índice bolsista de referência.

Altri em máximos de sempre

A Semapa que anuncia, após o fecho do mercado, o balanço das suas contas relativas ao primeiro trimestre vê as suas ações somarem 3,62%, para o 20,35 euros, enquanto os títulos da Navigator avançam 2,86%, para os 5,39 euros.

Qualquer destes três títulos está a ser impulsionado por notícias que dão conta de movimentos de consolidação no setor. A imprensa brasileira noticiou que a Asia Pacific Resources International (APRIL) fechou um acordo exclusivo com a Lwarcel, tendo feito uma proposta para comprar a sua fábrica de pasta em Lençóis Paulista nos próximos 60 dias.

Numa nota de análise, o BPI recorda que a Lwarcel tem estado à procura de um parceiro para a sua unidade industrial, que permitiria à empresa implementar um projeto de expansão que poderia aumentar a produção em Lençóis Paulista das atuais 250 mil toneladas por ano para 1,5 milhões. A Altri e a Navigator eram apontadas como interessadas na compra da brasileira Lwarcel, juntamente com a chilena Arauco. “A aquisição da Lwarcel por um player ibérico faria sentido de um ponto de vista estratégico mas a APRIL parece disposta a fazer uma oferta mais agressiva”, referem os analistas do BPI.

Este negócio, que deverá estar iminente, é conhecido dois meses depois de ter sido anunciado que as duas maiores empresas de pasta do Brasil, a Fibria e a Suzano, vão avançar para uma fusão e dar origem à maior produtora mundial desta matéria que serve de base à produção de papel.

Mas há mais fatores que poderão ajudar a explicar o registo destacado das ações da papeleira liderada por Paulo Fernandes nesta sessão. Especificamente, os resultados relativos ao primeiro trimestre do ano que agradaram ao mercado. A Altri anunciou na sexta-feira passada que os seus lucros quase duplicaram naquele período. A empresa registou lucros de 32,6 milhões de euros até ao final de março, o que representa um aumento de 90,6% face ao mesmo período do ano anterior. O reforço do perfil exportador da empresa ajudou a puxar pelos seus resultados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altri dispara 10%. Papeleiras em recorde à boleia da consolidação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião