Conselho Geral e de Supervisão da EDP reúne-se hoje. OPA chinesa em cima da mesa

Depois de o Conselho de Administração Executivo da EDP ter afirmado que o preço oferecido pela China Three Gorges é baixo, o Conselho Geral e de Supervisão vai reunir-se. Luís Amado lidera o encontro.

O Conselho Geral e de Supervisão da EDP vai reunir-se hoje, apurou o ECO. É o primeiro encontro após a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela China Three Gorges, sendo este o tema em cima da mesa no encontro deste órgão que faz a supervisão da atividade da administração da empresa liderada por António Mexia. O Conselho de Administração Executivo, numa primeira reação, considerou “que o preço oferecido não reflete adequadamente o valor da EDP”.

Luís Amado irá liderar o encontro desta entidade composta por 21 membros, na sua maioria independentes. Esta reunião vem no seguimento da OPA do maior acionista da elétrica portuguesa, que se propôs adquirir a totalidade do capital da empresa que não detém, mas admite o sucesso da operação se ficar com 50% mais uma ação. Para tentar atrair os acionistas, a China Three Gorges ofereceu uma contrapartida de 3,26 euros por cada ação da empresa.

Esta reunião, onde estará também o presidente executivo do BCP, Nuno Amado, o único acionista “português” da EDP, vai avaliar a oferta chinesa, isto depois de o conselho executivo já ter reagido. António Mexia diz que “irá pronunciar-se em devido tempo sobre os demais termos da oferta”, mas emitiu já um primeiro parecer sobre a OPA.

O Conselho de Administração Executivo considera que o preço oferecido não reflete adequadamente o valor da EDP, salientou em comunicado enviado à CMVM, confirmando a informação que tinha já sido avançada pela Bloomberg. De acordo com a agência noticiosa norte-americana, a empresa liderada por António Mexia estará já a trabalhar com o banco UBS num plano de defesa.

O prémio implícito na oferta é baixo considerando a prática seguida no mercado europeu das utilities nas situações onde existiu aquisição de controlo pelo oferente”, acrescenta a administração da elétrica. Ou seja, a administração junta-se aos analistas, mas também aos investidores, na defesa de um valor superior na OPA em que seja considerado um prémio de controlo justo. Em bolsa, a EDP está a cotar nos 3,439 euros, bem acima da contrapartida da China Three Gorges.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho Geral e de Supervisão da EDP reúne-se hoje. OPA chinesa em cima da mesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião