“Há uma queda natural” de “quem está na política se tentar encavalitar nos êxitos futebolísticos”, diz Rio

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 16 Maio 2018

"Há uma queda natural, mas que não deveria ser assim, de quem está na política se tentar encavalitar nos êxitos futebolísticos", criticou Rui Rio. Líder do PSD acredita que o seu exemplo foi positivo.

O líder do PSD entende que o poder político deve guardar a devida distância do futebol para que, assim, possa tomar as atitudes devidas. E critica aqueles que, na vida política, “aproveitam muitas vezes os êxitos do futebol para se promoverem a si próprios”. “Há uma queda natural, mas que não deveria ser assim, de quem está na política se tentar encavalitar nos êxitos futebolísticos”, disse o presidente do PSD.

Rui Rio mostra-se preocupado com os últimos desenvolvimentos, mas acrescenta: “Já me estavam a preocupar há muito tempo porque isto é uma escalada que nós temos vindo a assistir e acho que é absolutamente insuportável”, afirmou aos jornalistas em Sófia, na Bulgária, à margem de uma reunião do PPE.

Para o presidente do PSD, aquilo que o poder político deve fazer é, “em vez de se intrometer e de se meter, guardar a devida distância daquilo que é um setor da sociedade que tem comportamentos altamente reprováveis e que não são modelo de comportamento para rigorosamente nada”, frisou.

Em declarações transmitidas pela RTP3, Rio também apontou o dedo a quem aproveita os êxitos do futebol para se promover. “Quando as pessoas que estão na política e estão na vida pública aproveitam muitas vezes os êxitos do futebol para se promoverem a si próprios, eu acho que naturalmente estão a criar dificuldades e não a tentar resolver o problema, resolver o problema é guardar distância” e depois ter autoridade “moral” e “ética” para procurar soluções, notou.

Para o presidente do PSD, é preciso ter o “sentido de responsabilidade” de guardar distância e procurar medidas que imponham a disciplina e autoridade, já que a situação “vai de mal a pior”. “O que aconteceu ontem, se nada for feito, vai-se repetir”, avisou, salientando que permanentemente surgem imagens na televisão de “claques balizadas pela polícia de choque”, o que não considera “normal”.

“Admito que o meu exemplo possa ter sido positivo”

E o Governo tem mantido distância? Rui Rio começa por dizer que antigamente havia “uma promiscuidade muito grande”. Mas depois, no início do século XXI, “admito que o meu exemplo possa ter sido positivo e houve uma certa separação”, continua, acrescentando: “Tenho notado que nos últimos anos tem vindo outra vez a tendência dessa ligação, e sempre aquela tentação de ganhar popularidade política à custa do futebol, que eu acho uma coisa perigosíssima”.

Os jornalistas quiseram saber a quem se referia em concreto Rio, que clarificou: “Estou a falar dos agentes políticos em geral, dos partidos quase todos”.

“Há uma queda natural, mas que não deveria ser assim, de quem está na política se tentar encavalitar nos êxitos futebolísticos; misturam-se, digamos assim, com essa componente extraordinariamente emocional e nada racional, quando nós, na política, temos de fazer um esforço de racionalidade e não de emotividade”. Quando “nos misturamos com essa emotividade” para “sermos nós, digamos assim, a usufruir também daquelas alegrias” que o desporto “dá às pessoas”, estamos “a arranjar lenha para nos queimarmos”, mas “o mais perigoso é não termos depois a força e a autoridade necessária para poder intervir com eficácia, evitando que o caminho seja este“, rematou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Há uma queda natural” de “quem está na política se tentar encavalitar nos êxitos futebolísticos”, diz Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião