Superchargers da Tesla chegaram à Guarda

  • ECO
  • 16 Maio 2018

Depois de Fátima e Montemor-o-Novo, os Superchargers da Tesla chegaram ao Hotel Lusitânia, na Guarda. A empresa diz que a nova estação liga Portugal a Espanha e cria novas rotas no país.

A Tesla não para de crescer em Portugal. Depois de Fátima e Montemor-o-Novo, os Superchargers da marca chegaram à Guarda. É no Hotel Lusitânia que está localizada a nova estação de carregamento rápido, permitindo aumentar a autonomia do carro em minutos em vez de horas. Para a empresa, esta aposta vai permitir criar uma ligação entre Portugal e Espanha e novas rotas entre o norte e o sul do país.

Superchargers da Tesla chegaram à Guarda

A fabricante liderada por Elon Musk sabe que a maioria dos clientes carrega a bateria do automóvel em casa ou no trabalho, mas muitos querem levar os Tesla de viagem. Foi por isso que continuou a apostar nos postos de carregamento rápido, com a abertura de uma nova estação na Guarda. “Esta estação conta com oito Superchargers individuais e liga Portugal com Espanha, ao mesmo tempo que possibilita novas rotas entre o norte e o sul de Portugal”, nota a empresa.

Em Portugal, esta rede já conta com três Superchargers, que incluem 24 Superchargers individuais, refere. Além do Hotel Lusitânia, na Guarda, a marca conta ainda com um Supercharger em Fátima e outro no L’And Vineyards, Montemor-o-Novo, próximo da Autoestrada A6.

Superchargers em Fátima, Montemor-o-Novo e agora Guarda

Estes postos de carregamento rápido juntam-se às estações de Carregamento no Destino em Portugal, sendo que também esta rede está a crescer. “Com esta rede, a Tesla melhorou ainda mais a experiência do carregamento ao associar-se com hotéis, resorts e restaurantes de todo o mundo, replicando nos estabelecimentos públicos a prática experiência de carregamento que os utilizadores da Tesla estão habituados a ter em casa”, refere. Esta solução permite carregar os carros até 80 quilómetros de autonomia por hora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Superchargers da Tesla chegaram à Guarda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião