BE: “Sempre que parlamento escolheu proteger o segredo bancário, infratores agradeceram”

  • Lusa
  • 17 Maio 2018

Bloco de Esquerda criticou, esta quinta-feira, atitude do PSD, acusando-o de ter vivido "bem" com "cultura de silêncio" do sigilo bancário. Projeto de lei do BE "retoma a proposta do Governo", disse.

O BE considerou, esta quinta-feira, que sempre que o “parlamento escolheu proteger o segredo bancário, dificultou o combate ao crime económico e os infratores agradeceram”, acusando o PSD de ter vivido bem “com esta cultura de silêncio e ocultação”.

Na abertura do agendamento potestativo (direito de um partido reservar a ordem do dia) do BE sobre sigilo bancário, a deputada bloquista Mariana Mortágua defendeu que se as propostas em discussão, esta quinta-feira, “forem aprovadas, o parlamento terá dado um passo importante no combate ao crime económico”.

“Sempre que este parlamento escolheu proteger o segredo bancário, dificultou o combate ao crime económico e os infratores agradeceram”, criticou.

De acordo com Mariana Mortágua, “foi esse o caso quando o Banco de Portugal não utilizou toda a informação de que dispunha para retirar a idoneidade a Ricardo Salgado [ex-presidente Grupo Espírito Santo]”.

Quando confrontado com esta acusação, continuou a deputada, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, explicou em comunicado que “os factos sobre os rendimentos de Salgado lhe tinham sido confidenciados ao abrigo de uma amnistia fiscal decidida pelo Governo em 2012”.

A deputada do BE criticou o PSD por sempre ter vivido “bem com esta cultura de silêncio e ocultação até ao dia em que viu nela uma oportunidade”.

“Na sua agenda de vingança política, o PSD não hesitou em colocar a Caixa Geral de Depósitos em risco”, lamentou.

Segundo Mariana Mortágua, “em Portugal só há dois grupos de pessoas sujeitas a acesso irrestrito a informação bancária: os idosos pobres que se candidatem ao Complemento Solidário para Idosos ou os pobres de todas a idades que requeiram o Rendimento Social de Inserção”.

A deputada bloquista detalhou que o projeto de lei que o BE apresentou “retoma a proposta do Governo apresentada há mais de um ano e que, depois de esbarrar no veto presidencial, ficou esquecida”.

“Congratulamo-nos por isso que o anúncio deste agendamento tenha bastado para a manifestação de um acolhimento positivo por parte do Presidente da República, sendo acompanhado por propostas do Governo no mesmo sentido”, enalteceu.

Para Mariana Mortágua é “justo que o país possa conhecer os negócios ruinosos que tanto prejudicaram a economia”.

Para isso, o BE propõe, num segundo projeto de lei, que a Assembleia atribua ao Banco de Portugal a obrigação legal de elaborar e publicar informação sobre os grandes créditos incumpridos na última década de todos os bancos que tenham sido alvo de intervenção direta ou indireta do Estado, do BPN ao Novo Banco, passando pela CGD.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE: “Sempre que parlamento escolheu proteger o segredo bancário, infratores agradeceram”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião