Ações do Sporting agravam perdas. Tombaram 17% após onda de demissões

A crise no Sporting chegou aos mercados. Os títulos recuaram mais de 17%, penalizados pelos receios em torno das eventuais perdas para SAD após o ataque aos jogadores em Alcochete.

A crise no Sporting chegou aos mercados. Os títulos recuaram mais de 17%, penalizados pelos receios em torno dos eventuais prejuízos que o episódio de violência com os jogadores do clube em Alcochete possa ter na SAD.

Os títulos da SAD do Sporting caíram 17,11% para 63 cêntimos, registo que foi ditado na segunda das duas vezes em que os títulos são transacionados — a negociação das ações da SAD é feita por chamada, não em contínuo. Nas duas últimas sessões, as ações ficaram inalteradas depois de nas duas anteriores terem registado perdas de 2,5% e 5%.

Foi na terça-feira que cerca de 50 adeptos do Sporting, com a cara tapada, invadiram a Academia de Alcochete, enquanto decorria o treino da equipa principal, e agrediram jogadores e equipa técnica, a dias da final da Taça de Portugal de futebol.

Ações do Sporting com dia negro

Num comunicado, a SAD lamentou o ataque, afirmando que “configura a prática de crime e que em nada honra e enobrece” o nome do clube. Já o presidente do clube, apesar de sublinhar a necessidade de travar a violência no desporto, afirmou que o episódio “foi chato”. Mas “o crime faz parte do dia-a-dia”.

Desde então têm-se sucedido os pedidos de demissão do presidente do Sporting, nomeadamente por parte de Daniel Sampaio e Rogério Alves, mas também de José Maria Ricciardi. O antigo membro do conselho leonino disse estar “envergonhado, indignado e preocupado” com o episódio de violência, salientando as repercussões económicas que pode ter no clube — calcula que a crise no Sporting possa ter um impacto de 100 milhões de euros.

Entretanto, a Mesa da Assembleia-Geral do Sporting demitiu-se em bloco, confirmou à Lusa o seu presidente, Jaime Marta Soares. Seguiram-se também as demissões dos cinco membros do Conselho Fiscal.

Ainda antes de pedirem demissão, os membros da Mesa da Assembleia Geral do clube votaram e aprovaram ainda a moção de uma processo disciplinar contra o presidente Bruno de Carvalho, tendo como objetivo forçar a sua demissão.

(Notícia atualizada às 16h45 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações do Sporting agravam perdas. Tombaram 17% após onda de demissões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião