Órgãos sociais pressionam Bruno de Carvalho a demitir-se

  • Lusa e ECO
  • 17 Maio 2018

A Mesa da Assembleia-Geral do Sporting demitiu-se em bloco e o presidente quer a demissão de todos os órgãos sociais. O Conselho Fiscal seguiu-se.

A Mesa da Assembleia-Geral do Sporting demitiu-se em bloco, confirmou à Lusa o seu presidente, Jaime Marta Soares. Os cinco membros do Conselho Fiscal também se demitiram, confirmou já o Expresso e a agência Lusa.

À TSF, Marta Soares pediu ainda a demissão de todos os órgãos sociais do clube, afirmando que está a tratar de todas as diligências necessárias para que se avance para uma destituição em massa e avançar assim para eleições.

“Nenhum dos órgãos sociais do Sporting Clube de Portugal tem o direito de se querer manter no exercício das suas funções, pondo e causando graves prejuízos ao Sporting nessa atitude”, afirmou Jaime Marta Soares.

Já o Conselho Fiscal e Disciplinar tomou a mesma decisão e reiterou a mensagem: “Tendo em conta os superiores interesses do Sporting Clube de Portugal, que são e sempre foram a nossa maior preocupação, apelamos a que o presidente e os restantes membros do Conselho Diretivo apresentem a sua renúncia ao cargo de forma a permitir a marcação imediata de eleições”, indicam os cinco membros, em comunicado.

Depois de terem chegado à conclusão que o Conselho “não tem competências estatutárias” para retirar o clube da “situação insustentável em que o mesmo se encontra”, Nuno Silvério Marques e os restantes quatro membros decidiram apresentar a demissão.

Entretanto, de acordo com a RTP 3, o Conselho Diretivo do clube verde e branco decidiu renuir-se de urgência.

Mesa avança com processo disciplinar contra o presidente

Ainda antes de pedirem demissão, os membros da Mesa da Assembleia Geral do clube votaram e aprovaram a moção de uma processo disciplinar contra o presidente Bruno de Carvalho. Como avança a SIC Notícias, o processo tem como objetivo forçar a demissão do presidente. O canal diz ainda que alguns elementos da direção já pediram a sua demissão e que outros vão ainda demitir-se esta quinta-feira.

Na terça-feira, cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos ‘leoninos’, invadiram a Academia de Alcochete e agrediram vários jogadores e membros da equipa técnica. A GNR deteve 23 suspeitos, apreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube.

O Ministério Público disse na quarta-feira que os detidos pelas agressões a futebolistas do Sporting são suspeitos de práticas que podem configurar crimes de sequestro, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada e terrorismo, entre outros.

Treino do Sporting no Jamor cancelado

Entretanto, na tarde desta quinta-feira ficou-se a saber que a equipa do Sporting não vai realizar o treino que estava agendado para sexta-feira no Estádio Nacional, tendo em vista a preparação da final da Taça de Portugal, anunciou a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Numa curta nota, o organismo máximo do futebol português informa apenas “que o Sporting não irá realizar a sessão de treino prevista para o Estádio Nacional, no Jamor”, e relembra que o outro finalista, o Desportivo das Aves, “vai treinar no sábado, às 11:00”.

O Sporting não fez nenhum treino de preparação para a final da Taça, agendada para as 17:15 de domingo, depois da invasão de terça-feira à Academia do clube, em Alcochete, levada a cabo por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores.

Bas Dost, apesar de “chocado”, “orgulhoso da equipa”

O avançado holandês do Sporting Bas Dost mostrou-se hoje “orgulhoso da equipa”, agradecendo o apoio dos “verdadeiros adeptos” do clube, no seguimento dos incidentes ocorridos terça-feira na Academia de Alcochete.

Apesar de reconhecer que ainda está “chocado” com o ato de violência contra a equipa levado a cabo por cerca de 50 alegados adeptos do clube, Bas Dost mostrou-se “feliz pela reação dos verdadeiros adeptos”.

“Isso significa muito para mim! Além disso, estou orgulhoso da forma como a minha equipa lidou com esta situação difícil. Isso mostra a força do nosso grupo. Estou tão orgulhoso desta equipa. Vamos ultrapassar isto juntos!”, pode ler-se no comunicado publicado na sua página do Facebook, em português e em inglês.

Bas Dost foi um dos vários jogadores agredidos na Academia do Sporting, em Alcochete, na terça-feira, tendo ficado com ferimentos na cabeça e nas pernas.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Órgãos sociais pressionam Bruno de Carvalho a demitir-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião