Petróleo chega aos 80 dólares. Está em máximos de 2014

  • Rita Atalaia
  • 17 Maio 2018

A quebra da oferta e a procura mais forte por petróleo estão a animar as cotações do "ouro negro". O Brent chegou à fasquia dos 80 dólares.

O petróleo não para de subir nos mercados internacionais. O Brent já superou a fasquia dos 80 dólares. Esta subida para um máximo desde novembro de 2014 acontece numa altura em que a oferta dá sinais de recuo, com a quebra da produção no Irão e Venezuela, enquanto a procura pela matéria-prima se mantém forte.

Neste contexto, o Brent, negociado em Londres, está a subir 0,73% para 79,86 dólares, chegando a cotar nos 80,06 dólares. O WTI, negociado em Nova Iorque, segue em alta de 0,87% para 72,11 dólares. “Os riscos geopolíticos continuam a suportar os preços, depois de uma queda inesperada das reservas de energia nos EUA ter animado os investidores”, afirmou o ANZ bank, citado pela CNBC.

Brent supera patamar dos 80 dólares

As reservas de petróleo norte-americanas caíram 1,4 milhões de barris na semana terminada a 11 de maio, para 432,34 milhões de barris. Apesar de estes dados mostrarem um alívio do excesso de petróleo no mercado, o que puxa pelos preços, a quebra da oferta “cria receios numa altura em que se aproxima a época de viagens dos norte-americanos”, quando, normalmente, a procura aumenta, afirma o ANZ bank.

Já a Agência Internacional de Energia (AIE) alerta para o impacto da quebra da produção no Irão e Venezuela nos preços do petróleo. “A eventual dupla diminuição da produção do Irão e da Venezuela poderia representar o maior desafio para os produtores, que teriam de evitar a abrupta subida dos preços e compensar as quedas daqueles países. E não só se trata de números de barris, mas de qualidade”, alertou a AIE no relatório mensal, que situa o preço do petróleo Brent acima dos 77 dólares.

(Notícia atualizada às 10h51 com a cotação do Brent acima dos 80 dólares)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo chega aos 80 dólares. Está em máximos de 2014

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião