Horta Osório: “É de elementar justiça que os portugueses saibam como o dinheiro dos bancos foi aplicado”

O presidente do Lloyds Bank defende que deveriam ter sido os acionistas, e não os contribuintes, a assumir as perdas dos bancos durante a crise.

O Parlamento aprovou, esta quinta-feira, vários projetos de lei que abrem a porta à divulgação dos grandes devedores dos bancos que já tenham recebido ajudas públicas. Esta é, para António Horta Osório, uma medida “de elementar justiça” para os contribuintes, que considera terem o direito de saber como é que o dinheiro que injetaram nos bancos foi aplicado pelos mesmos.

O presidente do Lloyds Bank falava, esta sexta-feira, na conferência Banca e Seguros: O Futuro do Dinheiro, que decorre esta manhã. “O princípio do sigilo bancário, que é importante, colide com outro princípio que me parece mais importante: os bancos nunca deveriam ter tido de recorrer a ajudas públicas para continuar a operar”, disse o banqueiro, em declarações aos jornalistas à margem da conferência. “Os bancos têm acionistas, esses acionistas obtiveram os resultados positivos quando os houve e deveriam ter sido responsáveis pelas perdas quando as houve”, frisou.

"Os bancos têm acionistas, esses acionistas obtiveram os resultados positivos quando os houve e deveriam ter sido responsáveis pelas perdas quando as houve.”

António Horta Osório

Presidente do Lloyds Bank

Contudo, reconhece, “os efeitos da crise” impediram que isso acontecesse e foi necessário “recorrer a medidas excecionais de apoio aos bancos para continuarem a operar”. Tendo sido os contribuintes a injetar dinheiro nos bancos, “é de elementar justiça que os portugueses saibam como é que esse dinheiro foi aplicado”, sublinha Horta Osório. “Acho muito bem que o Parlamento esteja a legislar no sentido de aqueles bancos que tiveram ajudas públicas serem obrigados a publicar a lista dos maiores devedores, para os portugueses ficarem, com clareza, a par de como é que esse dinheiro foi empregue”, acrescenta,

Quanto a uma outra medida também aprovada na quinta-feira no Parlamento, que permitirá ao Fisco ter acesso automático a saldos bancários superiores a 50 mil euros, Horta Osório mostra maiores reticências. “Deve haver transparência, mas é importante haver equiparação a nível europeu e ser bem ponderado, em termos de confiança, qual é o limite adequado. Esse é um assunto mais técnico do que outra coisa”, considera.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Horta Osório: “É de elementar justiça que os portugueses saibam como o dinheiro dos bancos foi aplicado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião