Sporting reúne credores antes da Taça para evitar default

Os obrigacionistas vão reunir-se este domingo, às 10h00, para decidir se aceitam o adiamento no pagamento de 30 milhões de dívida do Sporting que vence na sexta-feira.

O clima de instabilidade que se instalou no Sporting depois do jogo com o Atlético de Madrid levou a SAD a propor aos credores uma espécie de moratória no pagamento da dívida.

As obrigações em causa foram emitidas em maio de 2015 e deveriam ser pagas na sua totalidade — 30 milhões de euros — na próxima semana, 25 de maio. Como a SAD não conseguiu ainda ir ao mercado vender dívida nova para reembolsar esta dívida antiga, então propôs aos seus credores que aceitassem adiar o prazo de reembolso, de 25 de maio para 26 de novembro.

Os acionistas da SAD já aprovaram este adiamento em assembleia geral (AG), mas ainda falta o ‘ok’ decisivo por parte dos credores que detêm as obrigações que pagam um juro anual bruto de 6,25%.

Na primeira convocatória da AG, que aconteceu no passado dia 4 de maio, este adiamento não foi aprovado (nem chumbado) por falta de quórum. Na AG de obrigacionistas só estiveram presentes credores donos de 1,03% do total da emissão, uma presença insuficiente para que as deliberações da reunião fossem consideradas válidas.

Por isso, o Sporting convocou uma nova AG para este domingo, às 10h00, no Estádio José de Alvalade, para tentar aprovar este adiamento. A AG acontece no mesmo dia em que a equipa de futebol vai jogar no Jamor a final da Taça de Portugal com o Desportivo das Aves. Nesta segunda convocatória para domingo as regras são diferentes:

  • Na primeira convocatória era exigido para aprovação do adiamento pelo menos 50% dos votos correspondentes a todos os obrigacionistas; Na segunda convocação bastará uma maioria de dois terços dos votos emitidos na própria AG.
  • Além disso, neste segundo encontro, “a AG poderá reunir e decidir qualquer que seja o número de obrigacionistas presentes e/ou representados”.

Isto quer dizer que, em teoria, será mais fácil aprovar o ponto único da AG. Neste cenário, o Sporting ganha uma “folga” de seis meses para poder ir ao mercado para se financiar e fazer o roll over da dívida. Se houver um chumbo, o Sporting arrisca entrar em default já na próxima sexta-feira, a não ser que consiga fundos junto à banca para pagar aos obrigacionistas.

Miguel Maya, atual vice e próximo CEO do BCP, um dos dois maiores credores da SAD do Sporting, veio dizer esta sexta-feira que “a banca está preocupada com a situação do Sporting”.

As obrigações que vencem agora foram compradas sobretudo por investidores no retalho: mais concretamente por 4.241 investidores. Apenas cinco credores aplicaram mais de 500 mil euros nesta linha.

A SAD já entretanto teve o ok por parte dos acionistas em AG para que possa emitir dívida nova no mercado até um máximo de 60 milhões de euros, pagando para tal um juro de 6%. A primeira venda deverá ascender a 15 milhões de euros e serve para o “cumprimento de serviço de dívida e tesouraria”.

As últimas emissões da SAD do Sporting

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sporting reúne credores antes da Taça para evitar default

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião