Lei da Proteção de Dados vai ter custos “fortíssimos”. Governo ainda não sabe quanto

O Executivo acredita que as empresas e o Estado vão suportar custos administrativos "fortíssimos" com o RGPD. No entanto, o impacto só será conhecido depois de as novas regras estarem em vigor.

As empresas andam num rebuliço por causa das novas regras de proteção de dados que entram em vigor na próxima sexta-feira, mas o custo global que esta mudança implicará não é conhecido já. O Governo optou por fazer uma avaliação do impacto nos custos administrativos tanto para as empresas como para o Estado só quando as novas regras já estiverem no terreno.

A nova regulamentação impõe um conjunto de regras para o tratamento e armazenamento de dados pessoais por parte das empresas e do Estado. Na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros onde o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) foi aprovado, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, previu que o impacto seja “fortíssimo” em termos de custos administrativos de “centenas de milhões” tanto para as empresas como o Estado.

O ECO quis saber qual o valor em causa. Mas para já não há número. O gabinete de imprensa da Presidência do Conselho de Ministros começou por admitir que “o Governo criou há cerca de um ano a UTAIL (Unidade Técnica de Avaliação de Impacto Legislativo) para fazer a análise prévia de impacto à aprovação dos seus diplomas em Conselho de Ministros”.

No entanto, a mesma fonte oficial acrescentou que, “nesta fase inicial, a UTAIL tem-se dedicado a fazer a sua avaliação dos custos administrativos dos decretos-lei, não procedendo ainda à mesma avaliação para propostas de lei“. Aliás, este projeto-piloto, que se chama “Quanto Custa?”, permitiu calcular que em 2017 a legislação produzida pelo Governo custou em termos administrativos 12 milhões de euros às empresas.

Ora, foi precisamente através de uma proposta de lei que as novas regras chegaram ao Parlamento, com o objetivo de transpor para a legislação nacional uma diretiva comunitária. O facto de esta legislação ter nascido no espaço comunitário é também um dos argumentos usados pelo Governo para explicar o motivo pelo qual ainda não há um número final para o custo administrativo das novas regras.

“Neste caso particular, a maior parte dos custos decorrem do próprio RGPD e não da proposta de lei do Governo ou da lei que vier a ser aprovada pela AR”, afirma o Executivo, salientando que “a margem de manobra que o regulamento confere aos estados-membros para o adaptarem a cada realidade nacional é muito reduzida”.

“Por todas estas razões, não foi feito um Relatório de Avaliação de Impacto legislativo (RAIL) prévio”, afirma o Governo, embora acrescente que “em vez disso, foi solicitado à UTAIL que analisasse o RAIL europeu, elaborado pela Comissão Europeia a respeito do RGPD, e que averiguasse se os custos nele previstos se verificam em Portugal”.

Apesar de a UTAIL ter concluído que “o RAIL europeu está desajustado face ao tecido económico português, designadamente porque subestimou os custos decorrentes do RGPD“, o Governo assumiu na exposição de motivos da proposta de lei que enviou para o Parlamento que “do trabalho de avaliação de impacto já realizado, conclui-se que a aplicação deste Regulamento resultará em encargos administrativos elevados, que em muitos casos não se encontram suficientemente justificados pelos benefícios obtidos com o novo regime de proteção de dados pessoais relativamente ao regime atual”, lembra a mesma fonte.

Desta forma, o Executivo decidiu fazer uma avaliação do impacto da legislação nacional com as regras já no terreno. “Decidimos realizar uma avaliação de impacto ex-post para, nomeadamente, calcular os custos efetivos que decorrem da aplicação do RGPD. Decorrem assim contactos com algumas confederações empresariais com vista à realização desse trabalho em estreita articulação com as empresas.”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lei da Proteção de Dados vai ter custos “fortíssimos”. Governo ainda não sabe quanto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião