Siza Vieira reage: China Three Gorges “nunca foi minha cliente”

  • Marta Santos Silva
  • 20 Maio 2018

Num "esclarecimento" enviado ao Expresso, o ministro Adjunto responde à notícia deste sábado de que tinha recebido a China Three Gorges antes da OPA à EDP.

O ministro Adjunto Pedro Siza Vieira reagiu, numa nota enviada e publicada pelo Expresso, à notícia do semanário que indicava que teria recebido “os seus ex-clientes” China Three Gorges já enquanto ministro, referindo que a CTG “nunca foi” sua cliente, e que “antes de ir para o Governo não tinha tido qualquer contacto com a referida empresa ou seus representantes”.

O Expresso escrevia ontem, sábado, que Pedro Siza Vieira recebera representantes da chinesa China Three Gorges no seu gabinete de ministro antes de ter pedido ao primeiro-ministro para deixar de tratar de temas relacionados com o setor elétrico enquanto a Oferta Pública de Aquisição (OPA) à EDP decorrer. O jornal referia que a China Three Gorges é cliente da Linklaters, a sociedade de advogados em que Pedro Siza Vieira trabalhava antes de se tornar ministro.

“Como é público, cessei qualquer ligação com a Linklaters a partir do momento em que amortizei a minha quota, antes de assumir funções públicas. Tenho agora com a Linklaters a mesma ligação que tenho, por exemplo, com a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados – de que fui sócio até 2001 – ou com qualquer outra sociedade de advogados. Isto é: nenhuma!“, escreveu Pedro Siza Vieira na sua nota ao Expresso.

Na mesma nota, deixou ainda um comentário sobre a sua decisão de pedir escusa em matérias relativas ao setor elétrico no momento da OPA, algo que o PSD queria ontem ver esclarecido. “Fi-lo, porque sei por experiência que as OPAs são sempre momento de grande visibilidade mediática, em que os envolvidos fazem sempre grandes esforços de relações públicas. Antecipei, por isso, que a circunstância de o oferente ser assessorado pela minha antiga sociedade pudesse levar à tentativa de criar dúvidas sobre a imparcialidade do Governo neste processo”, afirmou.

O Expresso respondeu ao ministro numa nota editorial onde se lê que “se não houvesse uma relação comercial da sociedade em que detinha uma quota com a CTG, o ministro não teria sentido necessidade de fazer um pedido de escusa para tratar de matérias relativas ao setor elétrico”. O semanário conclui: “O próprio esclarecimento do ministro Adjunto justifica a pertinência da manchete do Expresso. Se o pedido de escusa serve para evitar quaisquer dúvidas que houvesse na relação entre a CTG e a sua antiga sociedade de advogados no âmbito da OPA, a mesma questão se coloca por ter recebido a China Three Gorges enquanto ministro sem que tivesse pedido escusa. Assim teria evitado desde o início o que pretendeu evitar depois: a possível existência de um conflito de interesses”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira reage: China Three Gorges “nunca foi minha cliente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião