Feira do Livro de Lisboa 2018 com mais pavilhões, editoras e espaço

  • Lusa
  • 21 Maio 2018

O evento decorre de 25 de maio a 13 de junho, no Parque Eduardo Sétimo, e vai contar com 626 marcas editoriais/editoras. A hora de encerramento passa para as 22h.

Mais oito pavilhões do que em 2017 e mais 25 marcas editoriais estarão presentes na 88.ª Feira do Livro de Lisboa, de 25 de maio a 13 de junho no Parque Eduardo VII, anunciou esta segunda-feira a organização.

Este ano, a feira conta com 294 pavilhões e com a presença de 626 marcas editoriais/editoras, ocupando 23 mil metros quadrados, ou seja, mais 3.000 metros quadrados do que em 2017, referiu o secretário-geral da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), Bruno Pacheco, na apresentação do certame. Entre as novidades está a hora de encerramento da feira de segunda a quinta-feira, que passa das 23h00 para as 22h00, o que faz com que a “Hora H” – momento de descontos especiais – seja também antecipada uma hora.

Segundo Bruno Pacheco, a antecipação da hora de encerramento resulta de uma auscultação aos editores, por lhes parecer o horário mais adequado, uma vez que a feira é muito visitada por famílias com crianças. Outras novidades deste ano serão o espaço ‘selfie’, um local para tirar e partilhar fotografias panorâmicas da cidade, e uma nova coleção de ‘merchandising’, onde a cortiça estará presente.

Da programação anunciada esta segunda-feira, sabe-se que no próximo sábado, 26, dias depois de completar 95 anos, o ensaísta Eduardo Lourenço marcará presença na feira numa iniciativa em que será exibido o documentário “Labirinto da Saudade”, com a presença do realizador, Miguel Gonçalves Mendes, e da presidente da Fundação José Saramago, Pilar del Río.

A Feira do Livro de Lisboa associa-se à iniciativa Noite da Literatura Europeia e juntará, a 9 de junho, os autores Damir Karakas (Croácia), Felipe Benitez Reyes (Espanha), Laetitia Colombani (França), Errico Buonanno (Itália), Olga Stehlíková (República Checa) e Radu Sergiu Ruba (Roménia) numa conversa moderada por Pedro Vieira. O autor David Machado, vencedor do Prémio de Literatura da União Europeia em 2015, estará à conversa com o público no dia 8 de junho.

No recinto estará patente uma exposição retrospetiva de todas as edições da feira, intitulada “88 anos de imagens com história”, onde se poderá revisitar o certame desde o início dos anos 30 do século XX, quando se realizava no Rossio. A escritora Luísa Costa Gomes, o crítico de cinema João Lopes, os autores Moita Flores, Nuno Artur Silva, Adelino Faria e Luísa Schmidt são alguns dos nomes que estarão presentes nos debates promovidos pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, que este ano mantém a parceria com a Rádio Renascença.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Feira do Livro de Lisboa 2018 com mais pavilhões, editoras e espaço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião