Portugal vai na “direção certa”, mas há desequilíbrios por corrigir

  • Lusa
  • 23 Maio 2018

Pierre Moscovici vê desequilíbrios importantes, nomeadamente a elevada dívida externa, privada e pública, vulnerabilidades no setor bancário e segmentação do mercado de trabalho.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, considera que a economia portuguesa continua, em termos gerais, “na boa direção”, mas advertiu que subsistem desequilíbrios que é necessário corrigir através da implementação de reformas.

“Portugal, como todos sabemos, está a crescer de forma robusta, as suas finanças públicas estão a melhorar de forma vincada e o desemprego está a descer de modo constante. Em março, concluímos que Portugal já não experimenta desequilíbrios macroeconómicos excessivos. No entanto, continua a enfrentar fontes de desequilíbrios importantes, entre as quais se contam níveis elevados de dívida externa, privada e pública, vulnerabilidades no setor bancário e segmentação do mercado de trabalho”, declarou.

Moscovici, que se pronunciava sobre Portugal na conferência de imprensa de apresentação do “pacote de primavera do semestre europeu”, no quadro do qual Bruxelas emitiu recomendações específicas aos Estados-membros, sublinhou que Portugal “deve consolidar as recentes tendências positivas na redução do défice e dívida, e é recomendável que o país garanta que a taxa de crescimento nominal da despesa pública primária líquida não ultrapasse 0,7% em 2018, o que corresponde a um ajustamento estrutural anual de 0,6% do PIB”.

"Portugal continua a enfrentar fontes de desequilíbrios importantes, entre as quais se contam níveis elevados de dívida externa, privada e pública, vulnerabilidades no setor bancário e segmentação do mercado de trabalho.”

Pierre Moscovici

Comissário europeu dos Assuntos Económicos

Segundo o comissário, tal pode ser alcançado reforçando o controlo da despesa e assegurando uma despesa pública mais eficiente sobretudo no sistema de saúde.

Por fim, Pierre Moscovici comentou que, em virtude de as reformas levarem o seu tempo, “é normal que alguns compromissos ainda estejam por implementar”, mas admitiu que, “noutros casos” – sem precisar quais -, “a Comissão tem preocupações com o ritmo dos progressos”.

“Basicamente, as coisas estão na direção certa, mas alguns desequilíbrios ainda têm que ser corrigidos, através da prossecução do esforço de reformas”, concluiu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal vai na “direção certa”, mas há desequilíbrios por corrigir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião