Bruxelas avisa que pagamentos em atraso no SNS continuam muito altos

  • Marta Santos Silva
  • 23 Maio 2018

A Comissão Europeia aponta para os atrasos nos pagamentos dos hospitais, para assinalar que o planeamento orçamental é fraco em setores como o da saúde.

A Comissão Europeia alerta Portugal para a sua despesa com o Sistema Nacional de Saúde, que demonstra fraco planeamento orçamental e implementação dos gastos previstos. Nas recomendações para Portugal da Comissão Europeia, publicadas esta quarta-feira, os comissários sublinham que Portugal vai precisar de fazer revisões continuadas da despesa.

“O planeamento e implementação orçamental continuam a ser um problema considerável, em especial no setor da saúde, onde os pagamentos em atraso se mantêm muito altos”, lê-se no documento que contém recomendações orçamentais e estratégicas para Portugal. Para os comissários, cujas recomendações terão depois de ser aprovadas pelos países e pelo Conselho Europeu, “assegurar a sustentabilidade da dívida pública depende uma consolidação orçamental que tem de ser feita através de uma melhoria estrutural das finanças públicas, a ser alcançado através de um controlo mais apertado das receitas e da despesa”.

Já em março, no relatório sobre Portugal publicado no âmbito do Semestre Europeu, as autoridades assinalavam que “a sustentabilidade a curto prazo do sistema de saúde não está assegurada”, e escreviam também: “Os atrasos nos pagamentos dos hospitais continuaram a aumentar em 293 milhões de euros em 2017, apesar de um pagamento extraordinário de 400 milhões de euros feito em dezembro”.

O aumento destes pagamentos em atraso, que continuam a acumular-se, seria então um sinal de “subfinanciamento” e ainda de problemas com as práticas de supervisão. Outros fatores assinaláveis eram “as despesas com pessoal e crescentes pressões da procura”.

A Comissão Europeia sublinhou que o padrão utilizado até agora pelo Governo português para resolver os atrasos dos pagamentos através de injeções periódicas não é sustentável nem “parece resolver os problemas subjacentes à gestão hospitalar que resultam nesta acumulação”.

Portugal vai ter um dos custos mais elevados da UE com a Saúde

Bruxelas deixava ainda em março um aviso a mais longo prazo. Embora nesta fase Portugal tenha um fardo com as despesas de saúde inferior à média europeia, fixando-se nos 5,9% do PIB, este peso vai aumentar drasticamente ao longo dos anos devido ao envelhecimento da população. Prevê-se que em 2070 o valor aumente para os 8,3% do PIB, um nível superior à média europeia.

Assim, a Comissão Europeia apelou a Portugal para que tenha atenção aos custos que o envelhecimento trará ao orçamento, tomando já precauções: “Uma estratégia alargada para enfrentar os custos do envelhecimento na saúde, incluindo no caso das doenças crónicas, seria importante”.

(Notícia retificada às 13h15. Por lapso, as recomendações para os países da Comissão Europeia publicadas esta quarta-feira, dia 23, noticiadas referiam-se às emitidas em março)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas avisa que pagamentos em atraso no SNS continuam muito altos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião