Hoje nas notícias: Sonae, rendas e megatribunais

  • ECO
  • 23 Maio 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A operação de entrada em bolsa da nova empresa da Sonae vai ser reservada para investidores institucionais, enquanto os pequenos investidores apenas poderão comprar ações quando nova cotada estiver a negociar no mercado. Há mais notícias que vão marcar o dia, caso da proposta do PS em relação à habitação e que vai travar as ações de despejo que já estão em curso.

IPO da Sonae Retalho só para institucionais

A Sonae elegeu o negócio do retalho alimentar e a propriedade imobiliária como as partes do seu portefólio que vão para a bolsa através de uma oferta pública inicial (IPO, sigla inglesa). Mas a operação de colocação da nova empresa apenas estará reservada para os investidores institucionais. Já os pequenos investidores apenas poderão adquirir ações da nova cotada da família Sonae quando ela já estiver a negociar no mercado. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Proposta do PS trava despejos já em curso

A proposta do PS que será esta quarta-feira votada no Parlamento sobre a habitação impede que os senhorios possam avançar com novos despejos até à entrada em vigor do novo quadro jurídico do arrendamento. Mais: trava inclusivamente as ações de despejo que já estão em curso. O projeto de lei socialista prevê que “ficam suspensas as denúncias já efetuadas pelo senhorio”, numa medida que vai abranger inquilinos com mais de 65 anos ou com grau de incapacidade igual ou superior a 60% desde que residam há mais de 15 anos no imóvel. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

António Mota: “Portugal vai ser invadido pela construção espanhola”

António Mota, presidente do grupo Mota-Engil, diz que o mercado português “vai ser invadido pela construção espanhola” assim que se iniciar um novo ciclo de investimento público no setor, o que acredita que irá acontecer em 2019. “Espanha também sofreu com a crise, mas o mercado espanhol é mais protegido do que o português”, disse Mota em entrevista. Sobre o facto de a Mota-Engil não pagar dividendos pela primeira vez em duas décadas, o responsável manifesta tristeza mas salienta que o objetivo é que “a empresa cresça, fique cada vez mais sólida e que o futuro seja melhor do que o presente e do que o passado”. Leia a entrevista completa no Público (acesso pago).

Lisboa, Porto e Coimbra vão ter megatribunais

O Ministério da Justiça quer investir 275 milhões de euros na construção de novos tribunais e na requalificação e ampliação de vários edifícios até 2028, num plano que prevê a criação de megatribunais em Lisboa, Porto e Coimbra. O documento de trabalho daquele ministério aponta para a construção de três novos tribunais (Vila Franca de Xira, Sesimbra e Beja), encontrando em aberto a possibilidade de Felgueiras, Guimarães, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Oliveira do Bairro, Lisboa, Setúbal e Ponta Delgada também terem novos tribunais. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Apenas 8% das PME estão prontas para as novas regras de proteção de dados

As conclusões são de um estudo do IAPMEI e da LCG Consultoria: cerca de 49% das pequenas e médias empresas nacionais (PME) consideram estar apenas parcialmente preparadas para o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), enquanto 35% admite que é muito provável que venha a ser alvo de penalizações devido a incumprimento. Outro dado: só 8% das PME é que dizem estar preparadas para responder às exigências das novas regras que entram em vigor esta sexta-feira. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Sonae, rendas e megatribunais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião