AG extraordinária do Sporting vai pôr em causa empréstimo obrigacionista, diz Bruno de Carvalho

Bruno de Carvalho lamenta a decisão de convocar uma AG extraordinária a 23 de junho para o destituir porque isso vai pôr em causa o novo empréstimo obrigacionista e comprometer o início da nova época.

É dos dias mais tristes que vivi no Sporting”. Foi assim que Bruno de Carvalho reagiu à decisão de Jaime Marta Soares de convocar uma assembleia geral do Clube, a 23 de junho, para destituir o presidente. Uma decisão que segundo o líder leonino vai pôr em causa o empréstimo obrigacionista a fazer no final deste mês de maio ou início de junho.

Bruno de Carvalho diz que não quer “dividir os sportinguistas”, mas acusou a mesa da Assembleia Geral e o conselho fiscal de não terem sido “sensíveis aos interesses dos acionistas e obrigacionistas que deram voto de confiança grande quando aprovaram por unanimidade o adiamento do prazo do empréstimo obrigacionista para novembro“. O presidente da SAD leonina acusa-os ainda de “deitarem abaixo” o trabalho desenvolvido junto “dos bancos e CMVM”.

“Esta necessidade de atrasar este empréstimo obrigacionista e fazer outro tinha a ver com questões de tesouraria”, explicou Bruno de Carvalho de forma clara. E vai ter consequências assegura: “Isto põe em causa a preparação da época, a contratação e venda de jogadores, a nova reestruturação financeira”. “Não posso garantir absolutamente nada”, lamenta.

Esta necessidade de atrasar este empréstimo obrigacionista e fazer outro tinha a ver com questões de tesouraria. Isto põe em causa a preparação da época, a contratação e venda de jogadores, a nova reestruturação financeira.

Bruno de Carvalho

Presidente do Sporting

“Não havia nenhum interesse do Sporting que os pudesse demover”, atirou ainda Bruno de Carvalho em conferência de imprensa transmitida pela Sic Notícias. “Esta direção tentou tudo“, assegurou.

Bruno de Carvalho sublinhou que tanto na reunião de dia 21 como na desta quinta-feira pediu que lhe fossem dadas “as razões pelas quais” a direção do Sporting se deveria demitir, mas que não foi possível perceber. O presidente do Sporting aproveitou para revelar o plano que avançou à mesa da AG na reunião de dia 21: permanecer em funções por mais 30 dias e agendar novas eleições, de forma a auscultar os sócios “o maior património do clube”, nas palavras de Bruno de Carvalho.

Perante a impossibilidade de demover a mesa da Assembleia Geral, liderada por Jaime Marta Soares, Bruno de Carvalho disse que lhes pediu que fossem eles a estabelecer um prazo para ter acesso da toda a informação do clube, SAD, falar com jogadores pessoal e se no final houvesse indício de algum diálogo, se sentariam em discussão, porque são “pessoas honradas e de bem”. Para Bruno de Carvalho “esta pressão e coação” para a demissão da direção não passa de um simples “capricho” que “não é legal”.

Jaime Marta Soares tem uma visão diferente destas reuniões. O presidente da mesa da assembleia geral, no final da reunião de três horas dos órgãos sociais, disse que “Bruno de Carvalho falou durante duas horas e meia” e “recusou tudo”.

Bruno de Carvalho falou duas horas e meia e nós meia hora. Recusou tudo.

Jaime Marta Soares

Presidente da Mesa da assembleia geral

Segundo Bruno de Carvalho a Assembleia Geral extraordinária agendada para 23 de junho “está cheia de irregularidades”. “Lançou uma bomba atómica que, pelos estatutos e pela Lei, não são assim”. O presidente do Sporting promete assim “desmontar a bomba atómica” — que “apenas serviu para lançar o pânico e parar o empréstimo obrigacionista, e retirar a força no processo negocial que é a preparação da época” — tendo em conta as irregularidades. Mas questionado pelos jornalistas de como vai desarmadilhar essa bomba, Bruno de Carvalho apenas deu a entender que não o vai fazer imediatamente. “Rapidamente não é hoje”, frisou Bruno de Carvalho. “Por estas incorreções jurídicas tenho sérias dúvidas que esta bomba atómica aconteça”, disse o presidente do Sporting.

“Para que é que foi preciso este espetáculo degradante?”, questionou Bruno de Carvalho. “O que está por detrás disto?”, acrescentou. “Só há um objetivo que é querer derrubar o presidente e esta direção”, acusou ainda.

Quanto aos ataques à Academia de Alcochete, Bruno de Carvalho frisa que “não há indícios novos” e que o seu nome “nunca foi falado no processo”.

Bruno de Carvalho aproveitou ainda a conferência de imprensa para anunciar que vai mover um processo contra o Correio da Manhã e a Cofina.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AG extraordinária do Sporting vai pôr em causa empréstimo obrigacionista, diz Bruno de Carvalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião