Pentágono apoia Trump e diz estar pronto para atacar Coreia do Norte esta noite

  • Lusa
  • 24 Maio 2018

A porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos diz que o país vai continuar com a "campanha máxima de pressão" sobre a Coreia do Norte e que sempre esteve preparado para atacar o país.

O Pentágono garantiu, esta quinta-feira, estar preparado para atacar a Coreia do Norte “já esta noite”, pouco depois de o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter afirmado o mesmo, após cancelar a sua cimeira com o seu homólogo norte-coreano, Kim Jong-un.

“Continuaremos com a nossa campanha de máxima pressão – isso não mudou. Sobre se estamos preparados para lutar já esta noite, sim – sempre foi assim”, declarou a porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Dana White, numa conferência de imprensa no Pentágono.

Inquirida sobre o papel da pasta da Defesa nas negociações com Pyongyang, a porta-voz respondeu que o objetivo do Pentágono sempre foi “apoiar os esforços diplomáticos” de Washington, mas reconheceu a importância das Forças Armadas na estratégia da Casa Branca quanto à Coreia do Norte. “Trata-se de uma política do Governo: são as sanções, é o aspeto económico, o diplomático, o militar. A campanha de máxima pressão envolve todo o Governo”, explicou.

Em relação ao aspeto militar, o tenente-general Kenneth McKenzie, diretor do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, indicou que a intenção do Pentágono é manter tanto o seu destacamento de tropas na zona como as manobras que estão agendadas com os seus aliados japoneses e sul-coreanos.

Em qualquer caso, McKenzie sublinhou que, apesar do otimismo que tinha despertado a histórica cimeira que Trump e Kim Jong-un iam realizar a 12 de junho em Singapura, ou a anunciada destruição de instalações nucleares por parte de Pyongyang, a posição do Departamento de Defesa nunca mudou.

Embora a porta-voz do Pentágono tenha admitido que, até agora, o secretário da Defesa norte-americano, James Mattis, se mostrara “prudentemente otimista” quanto ao desenlace das negociações entre os dois países, McKenzie garantiu que em nenhum momento o Pentágono mudou de posição. “Nem quando a cimeira começou a tomar forma, nem agora”, declarou.

Apesar disso, tal como fez o próprio Trump, também a porta-voz do Pentágono quis deixar as portas abertas à possibilidade de o encontro entre os dois líderes se realizar futuramente. “Isto não é o fim, é o princípio”, frisou.

Trump assegurou esta quinta-feira que o Pentágono “está preparado” para o caso de ser necessário tomar medidas militares contra a Coreia do Norte, se o regime norte-coreano responder ao cancelamento da cimeira bilateral com gestos “ingénuos ou imprudentes”.

Na Casa Branca, pouco depois de anunciar o cancelamento da sua cimeira com Kim Jong-un, o chefe de Estado advertiu de que as Forças Armadas norte-americanas “são de longe as mais poderosas do mundo” e garantiu estar em contacto com a Coreia do Sul e o Japão para a eventualidade de ser necessária uma atuação conjunta.

“Penso que este é um grande revés para a Coreia do Norte e um grande revés para o mundo”, disse Trump sobre a sua decisão de cancelar a cimeira que tinha agendada com Kim em Singapura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pentágono apoia Trump e diz estar pronto para atacar Coreia do Norte esta noite

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião