Do SPA à roupa lavada, até às férias nos trópicos. Esta empresa de Braga tem um Departamento da Felicidade

Empresa de Braga dá regalias aos colaboradores, desde SPA a comida, até férias em destinos tropicais. "Somos mais produtivos quando estamos saudáveis e felizes", diz o Grupo Bernardo da Costa.

As instalações são novas. E as ideias também, apesar do Grupo Bernardo da Costa (BC) estar a caminho da idade da reforma. Tão novas que o grupo ostenta orgulhoso o Departamento da Felicidade. “Um nome algo lamechas”, reconhece Ricardo Costa, a terceira geração que hoje gere os destinos do grupo a partir de Braga.

A ideia de criar este Departamento — um caso raro no mundo empresarial — não surgiu agora. Ricardo Costa imputa-a ao tempo dos seus avós. “O Departamento da Felicidade em si é apenas um ‘chapéu’ que teve o seu início com os meus avós, em 1957, quando os colaboradores eram vistos como fazendo parte da família”. O lema “as empresas são as pessoas” é assim já parte da casa na BC.

Inserido na semana de economia de Braga, a BC abriu as portas para mostrar que atingir a felicidade é afinal… tão simples. Ainda que dispendioso. Um custo que na empresa é visto como um investimento, até porque “uma equipa motivada é uma equipa envolvida e empenhada no sucesso da empresa”. Uma frase escrita numa das paredes da empresa e que mostra a importância dada às pessoas.

"O Departamento da Felicidade em si é apenas um ‘chapéu’ que teve o seu início com os meus avós, em 1957, quando os colaboradores eram vistos como fazendo parte da família.”

Ricardo Costa

CEO do Grupo Bernardo da Costa

Mas é um custo que tem tido resultados. Basta olhar para os números da empresa de instalações elétricas de apoio à construção civil, bem como de comércio a retalho de material elétrico, eletrodomésticos, iluminação e aparelhos de força motriz. Constituída por dez empresas, emprega 174 pessoas, 81 das quais em Portugal, estando as restantes distribuídas por cinco países (Portugal, Espanha, Brasil, Camarões e Moçambique) e três continentes, alcançou um volume de negócios de 32,5 milhões de euros. Um crescimento de 18% face ao ano anterior.

Ricardo Costa adianta ao ECO que “nos últimos seis anos crescemos sempre na casa dos dois dígitos”. Anos que, relembra, “foram extremamente difíceis para a economia portuguesa” mas que refletem, “sobretudo, ganhos de quota de mercado à concorrência”.

Do SPA, à roupa lavada e comida. Tudo à custa do patrão

Para manter “uma equipa motivada” e “empenhada no sucesso da empresa”, a BC oferece uma série de comodidades aos seus colaboradores. Entre uma sala de SPA, onde para além de massagens há serviço de manicure e tratamentos de beleza, até ao serviço de lavandaria, passando por uma sala de convívio onde sobressaem uma consola Wii e uma Playstation, até ao serviço de comida pré-preparada que os colaboradores podem levar para casa, nada parece ser deixado ao acaso.

A juntar a tudo isto, soma-se ainda uma semana de férias — está prestes a partir para o quinto ano consecutivo em que acontece — sempre em países tropicais, que pode ser substituída por um salário extra, caso o trabalhador opte por não viajar acompanhado pelos colegas.

A estas regalias juntam-se os tradicionais seguros de saúde e de vida e ainda um dia extra de férias, que é o dia de aniversário, que traz uma condição: o aniversariante fica, no dia seguinte, responsável pelo lanche de todos os colegas.

Manter trabalhadores, atrair mais colaboradores

Ricardo Costa não tem dúvidas que este bem-estar proporcionado aos funcionários, que se pode repercutir em mais horas livres fora do emprego, traz melhorias internas para a empresa. “Há melhoria na comunicação, os colaboradores com atividade em comum partilham experiências e, finalmente, sentem orgulho na empresa onde trabalham”, refere.

Ainda assim reconhece que “isto não é fácil, porque um dia retirar estes benefícios pode ser complicado”. Para Ricardo Costa são estes fatores que levam a que as pessoas se mantenham na empresa, apesar de existirem trabalhadores muito assediados até com salários mais altos. E acrescenta: “acreditamos que quem luta connosco merece ser recompensado por isso”.

Tudo isto não invalida que o grupo Bernardo da Costa sinta dificuldades em contratar pessoas, sobretudo em áreas chave como “eletricistas e informática”. Um problema que, diz o CEO, “não é exclusivo nosso, o que acontece é que não existem trabalhadores nessas áreas”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Do SPA à roupa lavada, até às férias nos trópicos. Esta empresa de Braga tem um Departamento da Felicidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião