Altice disparou mais de 50% com abertura do regulador francês a novas fusões

  • Marta Santos Silva
  • 22 Maio 2018

A empresa de telecomunicações francesa disparou em bolsa com a notícia de que o regulador francês poderá vir a permitir a venda da sua unidade endividada SFR.

A Altice chegou a ganhar mais de 50% em bolsa graças às palavras do presidente do regulador das telecomunicações francês, Sebastien Soriano, que disse ao Le Monde que estaria aberto a novas fusões no meio das telecomunicações em França.

Este aceno da reguladora lançou as ações da empresa para uma forte valorização na bolsa, e também beneficiou os outros três principais players do setor, a Orange, a Iliad e a Bouygues, escreve a Bloomberg.

A Altice, cotada em Amesterdão, chegou a ganhar 53% em bolsa, e fechou com ganhos de 45,35%, chegando aos 2,42 euros por ação.

A endividada SFR pertence à Altice mas a empresa não tem podido vendê-la devido a problemas com os reguladores, que queriam evitar que o setor das telecomunicações não ficasse resumido a três principais atores. No entanto, com as novas declarações de Soriano, é possível que a SFR possa ser vendida a uma das outras três companhias que dominam a área.

Ao Le Monde, Soriano afirmou que o regulador, a Arcep, não se opunha “em princípio” à consolidação, mas que se tinha oposto a fusões no passado devido à falta de investimentos em áreas como a fibra. “Agora que os operadores responderam ao nosso apelo, esta mensagem de total separação já não é relevante”, disse Soriano.

A grande valorização da Altice aconteceu no mesmo dia em que a empresa começa a negociar em ex-dividendo na bolsa de Amesterdão. Cada acionista da empresa terá direito a 0,4163 ações da Altice USA por cada ação que detiver no capital da empresa europeia.

A separação entre a Altice europeia e a Altice norte-americana, conhecidas agora como Altice Europe e Altice USA, já fora anunciada a 8 de janeiro deste ano. É nesse âmbito que a Altice Europe vai distribuir pelos seus acionistas o capital que detém na Altice USA.

(Notícia atualizada às 17h40 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice disparou mais de 50% com abertura do regulador francês a novas fusões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião