FMI não quer mais rigidez no mercado de trabalho

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 29 Maio 2018

Fundo diz que as reformas laborais realizadas em anos anteriores facilitaram a recuperação em curso, rica em emprego. Introduzir ou recuperar rigidez teria efeitos na competitividade e produtividade.

O Fundo Monetário Internacional deixa uma nota positiva às reformas do mercado de trabalho levadas a cabo nos últimos anos e avisa que introduzir, ou recuperar, rigidez, iria prejudicar a competitividade e a produtividade. Esta é uma das mensagem do FMI numa altura em que o Governo discute com os parceiros sociais mudanças à legislação laboral.

No comunicado final da missão do artigo IV, a instituição liderada por Christine Lagarde aponta para a importância de melhorar de forma consistente os níveis de qualificação e ensino. E também defende o aumento do investimento numa base sustentável, referindo que há condições propícias para dar passos adicionais.

Além disso, as reformas do mercado de trabalho realizadas nos últimos anos facilitaram a recuperação em curso, rica em emprego. “Mas a introdução de novas rigidezes, ou a reintrodução de antigas, prejudicaria a competitividade e a produtividade e criaria dificuldades às empresas na gestão de flutuações na procura”, indica o FMI.

A mensagem surge um dia antes de os parceiros sociais voltarem a discutir, em concertação social, as alterações ao Código do Trabalho dirigidas nomeadamente à precariedade. O Governo quer reduzir a duração máxima dos contratos a termo certo de três anos (na generalidade das situações) para dois, introduzindo também regras mais restritivas nas renovações. O limite desce de seis para quatro anos nos contratos a termo incerto. Quer ainda retirar da lei a norma que permite contratar a prazo, mas para postos permanentes, trabalhadores à procura de primeiro emprego e desempregados há mais de um ano, embora mantendo a regra para desempregados há mais de dois anos. Ao mesmo tempo, alarga o período experimental para as situações de primeiro emprego e desemprego de longa duração.

As medidas preveem ainda a introdução de um limite máximo de seis renovações nos contrato de trabalho temporários e o fim do banco de horas individual — mas admitindo agora a adoção desta figura por acordo de grupo.

As previsões do FMI para a economia portuguesa

Fonte:FMI

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

FMI não quer mais rigidez no mercado de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião