Itália faz disparar juros portugueses para máximos de outubro

Os juros da dívida portuguesa sobem contagiados pela tensão política que se vive em Itália. Taxa a dez anos nacional segue em máximos de sete meses. Negoceia acima de 2% no mercado secundário.

De Itália não sopram bons ventos políticos, e tal está a refletir-se num agravamento das yields da dívida soberana nacional. A taxa de juro a dez anos das obrigações portuguesas dispara até máximos de outubro do ano passado, depois de terem superado a fasquia dos 2% na sessão anterior. O agravamento da percepção do risco também leva os CDS portugueses a dispararem.

A yield soberana nacional no prazo a dez anos agrava no mercado secundário perto de 33 pontos base, para os 2,234%, o que corresponde ao patamar mais elevado desde 26 de outubro do ano passado. Nas restantes maturidades o sentido é semelhante.

Juros portugueses em máximos de outubro

Fonte: Reuters

A dívida nacional acompanha o rumo da congénere italiana, onde as yields soberanas agravam sobretudo nos prazos mais curtos. A yield da dívida soberana de Itália a dois anos agrava 90 pontos base para 1,937%, o patamar mais elevado desde 2013, indica a Reuters. Já no prazo a 10 anos, a subida é de 24 pontos base para 2,93%, a fasquia mais elevada desde meados de 2014. Já a yield espanhola no prazo a dez anos sobe 14 pontos base, para os 1,662%.

Os juros da dívida soberana voltam a subir depois de, esta segunda-feira, o antigo diretor do Fundo Monetário Internacional para as questões orçamentais, Carlo Cottarelli ter aceitado formar Governo em Itália. No entanto, tanto o líder do Movimento 5 Estrelas como o da Liga — partidos que tinham chegada a acordo para formar uma coligação governativa — mostraram-se contra a opção do Presidente italiano. Espera-se agora que Cottarelli não passe no Parlamento, abrindo-se a porta a eleições antecipadas, “o mais tardar no início de 2019″.

Para além de pressionar o rumo das bolsas europeias e agravar os juros da dívida soberana, os receios do mercado também se estão a refletir numa subida dos CDS dos países periféricos. Ou seja, o custo para segurar a dívida. Esta manhá, os CDS da dívida portuguesa a cinco anos sobem 15 pontos, para a fasquia mais elevada em quase sete anos. Já os pares espanhóis sobem dois pontos base para o patamar mais alto dos últimos 13 meses. Maior é a subida registada nos CDS italianos: agravam 49 pontos, para o valor mais elevado em mais de quatro anos e meio.

(Notícia atualizada às 9h20 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália faz disparar juros portugueses para máximos de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião