Prepare o seu pitch para o #LIS: Lisboa volta a ser a cidade com mais investidores por m2

Entre 6 e 7 de junho, a Beta-i reúne em Lisboa mais de 200 investidores e 750 startups, no maior evento do género em Portugal. A ideia da Lisbon Investment Summit (LIS) foi criada pela Beta-i.

Lisbon Investment SummitBeta-i

Mais de 200 investidores, 750 startups e 400 quadros empresariais. A edição do Lisbon Investment Summit (#LIS) está prestes a arrancar, naquele que é o maior evento do género, em Portugal.

A ideia do #LIS nasceu da admissão de que não havia, em Portugal, nenhum evento que trouxesse investidores de topo para verem as startups portuguesas que estavam a nascer e crescer. “O objetivo era criar um espaço para os fundadores se mostrarem, e onde os players deste universo do empreendedorismo pudessem discutir e debater temas comuns, e encontrar soluções que os ajudassem a evoluir. Isto sempre na perspetiva de fomentar o crescimento e amadurecimento do ecossistema empreendedor em Lisboa”, explica Pedro Rocha Vieira, cofundador e CEO da Beta-i, em conversa com o ECO.

“Com curadoria”, “de qualidade” e “para cerca de duas mil pessoas” são algumas das principais preocupações da Beta-i ao pensar no evento. Por isso, além das questões logísticas, Rocha Vieira defende que um dos critérios é “ter conteúdos interessantes que alimentem dois dias de trabalho e, ao mesmo tempo, de convívio e partilha de experiências”.

 

Todos os anos num sítio diferente, a ideia é que o evento altere a dinâmica: a edição de 2018 será nos dias 6 e 7 de junho no Hub Criativo do Beato. “Olhámos para esta edição de forma algo distinta, mas sem comprometer o que são os valores do #LIS. A aposta centra-se em sessões com mais tempo em palco e, ao mesmo tempo, menos sessões no total. O que nos permite focarmo-nos mais na qualidade e menos na quantidade”, explica.

Hoje sentimos que Lisboa já está preparada para ser protagonista, e o LIS já pode assim assumir-se como um dos principais eventos do género na Europa.

Pedro Rocha Vieira

Beta-i

Outra das preocupações é o “matchmaking mais humanizado entre startups e investidores, e não tanto aleatório”. Pedro Rocha Vieira explica que os investidores também têm de conquistar a atenção das startups, naquilo a que a organização chama o ‘Investor Reverse Pitching’. “Estamos preocupados em fazer com que o evento gere valor para os investidores presentes, mas também para as startups e empreendedores. Por isso concebemos um evento que, ao longo de dois dias, oferece múltiplos palcos com conteúdos a decorrer de forma dinâmica e interativa entre oradores e assistência”, acrescenta.

Quem é quem?

Focado em startups e investidores early stage, o LIS acaba por atrair muito mais do que é o seu público-alvo. Os assistentes são sobretudo investidores de Portugal, Reino Unido, França, Alemanha e Espanha. E, em cima da mesa das possibilidades, tratam-se de investidores em diferentes fases de investimento, desde pre-seed, seed, early stage e growth, assim como em diferentes verticais tais como e-commerce, inteligência artificial, IoT, fintech, cyber, entre outros.

Pela diversidade, a Beta-i aposta em trabalhar com os participantes ainda antes do evento, uma tentativa de antecipação do potencial que possa advir da presença no evento. “Apresentamos em média ao investidor dez startups que deve conhecer. Percebemos que tipo de pessoas e empresas querem conhecer e gerimos essa agenda em antecipação. Depois fazemos as apresentações, e fornecemos os contactos. Cerca de um mês antes do evento começamos a fazer o match à mão, e depois depende muito da vontade das partes”, detalha.

Entre a lista de nomes a ter debaixo de olho durante o LIS, Pedro Rocha Vieira destaca alguns: Pierre Yves Meerschman, investidor e cofundador da Daphni, José del Barrio, CEO e fundador da Samaipata Ventures e Stephanie Hospital, fundadora da OneRagtime, estão entre os potenciais contactos.

“Acredito que o que continua a caracterizar este evento é a nossa perspetiva evolutiva do que ele deve ser, esse aspeto de curadoria da Beta-i que torna o #LIS quase numa proposta viva, que todos os anos cresce e sofre mutações. Quem foi o ano passado ou há dois anos, sabe que este ano não vai encontrar mais do mesmo. Tem esse lado de ‘inesperado’ no seu ADN, e acredito que por aí se associa muito bem a este universo, também ele sempre em evolução e transformação, seja ela digital, de processos, de serviços, etc. O #LIS acaba por mimetizar esse espírito de evolução contínua que os empreendedores também carregam com eles”, conclui Rocha Vieira.

Comentários ({{ total }})

Prepare o seu pitch para o #LIS: Lisboa volta a ser a cidade com mais investidores por m2

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião