Malparado caiu 13 mil milhões em dois anos. FMI aplaude

  • Rita Atalaia
  • 29 Maio 2018

A entidade liderada por Christine Lagarde reconhece melhorias significativas na estabilidade financeira em Portugal. E isto graças aos esforços dos bancos de redução do crédito malparado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aplaude a recuperação da banca em Portugal. E isto graças aos esforços das instituições financeiras para reduzirem de forma significativa o crédito malparado: caiu mais de 13 mil milhões de euros desde meados de 2016. Para a entidade liderada por Christine Lagarde, este ritmo de “limpeza” dos ativos tóxicos vai permitir que as instituições financeiras alcancem ou mesmo superem as suas metas de redução. Mas deixa um alerta: é preciso manter estes esforços para que as entidades consigam regressar à rentabilidade.

“Os rácios de capital aumentaram, enquanto o stock de NPL [crédito malparado] caiu mais de 13 mil milhões de euros em relação ao máximo alcançado em meados de 2016″, refere o FMI no relatório sobre o artigo IV divulgado esta terça-feira. Este ritmo, diz a entidade, permite que “os bancos alcancem ou excedam os objetivos de redução de NPL”.

"Os rácios de capital aumentaram, enquanto o stock de NPL [crédito malparado] caiu mais de 13 mil milhões de euros em relação ao máximo alcançado em meados de 2016.”

Fundo Monetário Internacional

Apesar dos elogios aos esforços dos bancos, a entidade liderada por Christine Lagarde diz que é preciso fazer mais. “Embora os resultados sejam encorajadores, é preciso que haja mais progresso para reforçar a rentabilidade dos bancos. Isto vai ajudá-los a absorver custos adicionais que possam surgir com os requisitos europeus conhecidos como MREL e a apoiar a economia”, lê-se no comunicado.

Além disso, “os supervisores devem continuar a encorajar os bancos a fortalecerem a sua governance e gestão de risco enquanto mantêm os planos de corte de custos e redução de NPL para que consigam gerar capital”.

Preços das casas? É preciso “monitorizar”

A necessidade de os bancos continuarem a “limpar” o malparado não é o único alerta deixado pelo FMI. Para a entidade é preciso “monitorizar” a subida dos preços das casas, relembrando que o Banco de Portugal recomendou aos bancos a aplicação de limites nos critérios de concessão dos financiamentos. São, por agora, apenas recomendações, mas se não forem respeitadas passam a ser uma obrigação.

Estas recomendações são feitas numa altura em que o valor o valor médio dos novos empréstimos à habitação pedidos à banca pelas famílias está cada vez mais perto dos 100 mil euros, um patamar nunca antes atingido. A escalada dos preços dos imóveis justifica, em grande parte, este fenómeno ao qual não será indiferente também a apetência da banca pela concessão destes financiamentos num período de maior confiança dos portugueses na economia.

As previsões do FMI para a economia portuguesa

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Malparado caiu 13 mil milhões em dois anos. FMI aplaude

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião