“Todos os anos devíamos mudar de comercializador de energia”, diz a ERSE

A ERSE lança um novo simulador de tarifas de energia esta terça-feira, ferramenta que o regulador pretende disponibilize informação rigorosa que ajude o consumidor a encontrar a melhor proposta.

Todos os anos os portugueses deviam mudar de comercializador de energia. Quem o defende é a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), salientando, ainda assim, que as famílias até têm sido bastante ativas nestas mudanças em busca dos preços mais baixos. E para ajudar a encontrá-los, há agora um novo simulador que permite comparar também as ofertas duais.

“O nosso objetivo, do ponto de vista da regulação e para que as coisas funcionem, é que os rácios de switching [mudança de comercializador] sejam elevados“, afirmou Pedro Verdalho, responsável pela direção de tarifas e preços. “Em média, era desejável que tivéssemos rácios de 90%”, acrescentou.

“Todos os anos devíamos estar a mudar de comercializador“, acrescentou o responsável da ERSE, apesar de salientar que neste campo Portugal está bem posicionado face aos pares europeus.

“Na eletricidade e no gás estamos neste momento com rácios elevados, por causa de todo o processo de comunicação e ao nível das tarifas transitórias. Todo esse processo faz com que o nosso rácio em Portugal seja um dos maiores a nível europeu”, afirmou Pedro Verdalho, acrescentando que o rácio de switching a nível nacional é superior a 30%. Em termos práticos tal equivale a uma mudança de comercializador, em termos médios, de três em três anos.

É no sentido de fomentar a mudança de comercializador, na busca pelos preços mais baratos, que a ERSE disponibiliza, a partir desta terça-feira, um novo simulador cuja principal diferença face ao existente desde 2007 é o facto de possibilitar simular ofertas energéticas duais. Ou seja, de eletricidade e gás natural, combinadas.

Acresce ainda a vantagem da através da nova ferramenta ser possível descarregar um ficheiro de metadados com todas as ofertas comerciais. Ferramenta que poderá ser útil para outras entidades, como os outros diversos simuladores de energia que existem: “Poupa Energia” da ADENE, Selectra ou o simulador da Deco. Aquando da apresentação aos jornalistas da nova ferramenta, nesta segunda-feira, Pedro Verdalho afirmou que tal contribui para que a informação que é disponibilizada a essas entidades seja “rigorosa“.

Cristina Portugal, presidente da ERSE, no início da apresentação salientou que “o mercado é cada vez mais vivo e com mais ofertas”, razão que considera torna “fundamental que o consumidor tenha mais e ferramentas mais fáceis“, salientando a relevância da ferramenta que passa a estar disponível com as novas funcionalidades a partir de hoje através do site da ERSE.

Comparar a proposta de 21 comercializadores

No que respeita à ferramenta em concreto, esta irá permitir a comparação dos tarifários do mercado livre e regulado de eletricidade e de gás natural, mono e duais, vocacionados para pequenos consumidores (baixa tensão, < 41,4 kVA). No total, será possível a comparação de mais de 200 ofertas de 21 comercializadores: 21 na eletricidade, oito dos quais também no gás natural.

Para encontrar as tarifas à medida, os consumidores podem fazer dois tipos de simulações: com base nos três cenários tipo da ERSE ou uma simulação personalizada que respeite o perfil de cada consumidor de energia. Este pode colocar os valores das faturas energéticas que já dispõe para efetuar essas simulações e identificar se existem soluções mais em conta. Entre as informações que podem ser especificadas incluem-se a potência contratada, o ciclo de contagem (simples, bi-horária) e consumos (vazio e fora de vazio).

Entre as diversas funcionalidades disponíveis está também a possibilidade de incluir filtros: tarifa social, sem fidelização, outros serviços, sem restrições adicionais, percentagem de preços indexados, excluir reembolsos, etc.

Nos resultados das simulações é possível ainda perceber quanto do valor da fatura final vai para as diferentes componentes de custos: acesso, energia, taxas e impostos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Todos os anos devíamos mudar de comercializador de energia”, diz a ERSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião