Lucro da ANA cresce quase 50%. Atinge os 248,4 milhões de euros

  • ECO
  • 1 Junho 2018

Em 2017, a ANA registou lucros de quase 250 milhões de euros, o que representou uma subida de 47,6%. Aumento do volume de negócios justificou, em parte, este crescimento.

O último ano foi proveitoso para a ANA – Aeroportos de Portugal. A empresa registou lucros de 248,4 milhões de euros, o que representou um crescimento homólogo de 47,6%. Desde que, em 2013, foi adquirida pela Vinci que os seus proveitos têm disparado, o que se fica a dever, em parte, ao aumento do volume de negócios.

Assim, no ano em que foram registados novos máximos de passageiros em vários aeroportos nacionais, a ANA aumentou o seu volume de negócios em 15,6%, atingindo os 760,6 milhões de euros. Neste quadro, é importante realçar que, neste período, foram abertas 55 novas rotas, nos aeroportos portugueses.

Além disso, seis novas transportadoras iniciaram operações regulares em Portugal. Em contrapartida, três companhias, que representavam cerca de um milhão de passageiros por ano, acabaram por fechar as suas operações lusitanas (a Monarch, a Air Berlin e a Niko).

O desempenho ao nível do rédito — que registou um aumento de 89,1 milhões de euros face a 2016 — justificou também a subida dos lucros. Esta evolução dos rendimentos é justificada pela ANA, no caso do tráfego e exploração, com a “melhoria contínua das economias da Zona Euro e pelo crescimento económico global, a par com preços de petróleo contidos”.

O conselho de administração da ANA propõe, neste âmbito, que uma parte do resultado líquido — cerca de 980,6 mil euros — “seja partilhada com os seus colaboradores“, o que reflete um aumento homólogo de 19% do montante distribuído pelos trabalhadores.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da ANA cresce quase 50%. Atinge os 248,4 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião