Greve parou quase 100% dos comboios em Lisboa e 72% no Porto

  • Lusa e ECO
  • 4 Junho 2018

O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante diz que a adesão é de 90%, sendo quase total em Lisboa e no Porto.

A greve dos trabalhadores ferroviários parou, esta segunda-feira, quase 100% dos comboios urbanos de Lisboa, 72% dos do Porto e regionais e 66% das ligações internacionais, indicou fonte da CP à Lusa. O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI) diz que a adesão é de 90% a nível nacional, sendo quase total em Lisboa e no Porto.

De acordo com os dados fornecidos por fonte oficial da CP à Lusa, entre as 00h00 e as 08h00 desta segunda-feira, a greve suprimiu 10 ligações internacionais (66%), 60 comboios regionais (72%), 114 comboios urbanos de Lisboa (98%) e 36 urbanos do Porto (72%).

Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo vão estar em greve, entre as 00h00 e as 23h59 de segunda-feira, contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente. Os ferroviários contestam que sejam feitas alterações ao Regulamento Geral de Segurança (RGS), com o objetivo de reduzir custos operacionais.

Os árbitros do Conselho Económico e Social (CES) não definiram serviços mínimos para a greve, impondo apenas a realização de comboios de socorro e o transporte de mercadores perigosas ou perecíveis. A CP não vai disponibilizar transportes alternativos.

Em novembro, os sindicatos dos ferroviários suspenderam uma greve após terem acordado com o Governo que a redação do regulamento de segurança iria ser melhorada de forma a garantir que cada comboio circularia sempre com um maquinista e um revisor ou operador de mercadorias.

Atualmente, os comboios circulam sempre com dois trabalhadores, exceto na Fertagus que, ao abrigo do RGS, pode funcionar excecionalmente com agente único entre Setúbal e o Pragal.

Os sindicatos que marcaram as greves – CGTP, UGT e independentes – consideram que “a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária – trabalhadores, utentes e mercadorias” e defendem, por isso, que “é preciso que não subsistam dúvidas no RGS”.

As greves de 4, 12 e 13 de junho vão abranger todos os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo e todo o tipo de trabalho das 00h00 às 24h00 desses dias.

Esta segunda-feira, o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. d’Oliveira Martins, defendeu que a greve “não tem justificação material” e explica que os sindicatos marcaram a paralisação contra um regulamento que existe desde 1999, que nunca foi alterado e nem vai ser.

Depois, o secretário-geral da CGTP, que esteve na estação do Rossio a solidarizar-se com a greve dos ferroviários, disse que estão “a defender os seus postos de trabalho”, e alertou que 600 postos diretos podem desaparecer, além de 400 indiretos.

Arménio Carlos explicou à Lusa que está a ser desenvolvido um processo para, no próximo ano, todos os serviços de transporte estarem colocados “perante uma situação de concessão e uma abertura de concursos para aqueles que estiverem interessados”.

O que está “em marcha” é os candidatos a essa concessão saberem de antemão que, “se ganharem o concurso, podem dispensar centenas de trabalhadores”, alertou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve parou quase 100% dos comboios em Lisboa e 72% no Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião