Facebook partilhou dados com Huawei e outras três empresas chinesas

  • ECO
  • 6 Junho 2018

Huawei, Lenovo, Oppo e TCL tiveram acesso a dados privados dos utilizadores do Facebook, como a orientação política e a educação. Em troca, incentivaram estes utilizadores a aderirem à rede social.

O Facebook estabeleceu acordos de partilha de dados com, pelo menos, quatro empresas tecnológicas chinesas, incluindo a Huawei, que está identificada pelas autoridades norte-americanas como uma ameaça nacional, pela relação próxima que mantém com o governo chinês. A informação foi avançada, na terça-feira, pelo The New York Times.

Segundo o jornal norte-americano, os acordos datam, pelo menos, de 2010. Através destes, a Huawei, a Lenovo, a Oppo e a TCL tiveram acesso a dados privados dos utilizadores do Facebook.

A rede social tem estado sob pressão depois do escândalo relacionado com a consultora Cambridge Analytica, que usou dados de 50 milhões de utilizadores do Facebook para influenciar o sentido de votos dos norte-americanos nas últimas eleições. Agora, descobre-se que os dados dos utilizadores são partilhados ainda com mais entidades.

Estes acordos, escreve o The New York Times, ainda se mantêm em vigor, mas responsáveis do Facebook dizem que a empresa vai alterar o acordo com a Huawei até ao final desta semana.

O objetivo destes acordos era empurrar os utilizadores de dispositivos móveis para a rede social, quando as aplicações do Facebook ainda não estavam a funcionar plenamente. Em troca, as empresas tinham acesso a informações como a orientação religiosa ou política destes utilizadores, o trabalho, educação ou estado de relacionamento.

O Facebook garante, ainda assim, que estes dados se mantinham nos dispositivos dos utilizadores, e não nos servidores destas empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook partilhou dados com Huawei e outras três empresas chinesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião