Cambridge Analytica vai à falência depois do escândalo do Facebook

A consultora norte-americana, que terá usado dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook para ajudar a eleger Donald Trump, terá decidido fechar portas esta quarta-feira.

Alexander Nix era presidente executivo da Cambridge Analytica, mas tinha sido suspenso depois da polémica com o Facebook. Esteve em Lisboa no Web Summit em 2017.Wikimedia Commons

A Cambridge Analytica vai encerrar. A consultora norte-americana, que esteve envolvida na polémica do uso indevido de dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook, terá decidido fechar portas esta quarta-feira. Estava a perder clientes e a acumular uma despesa avultada com serviços jurídicos, avançou o jornal The Wall Street Journal, que cita responsáveis da empresa. A Associated Press avançou que a empresa declarou falência.

Os trabalhadores já terão sido informados da decisão e obrigados a devolver os computadores portáteis da empresa. Esta notícia surge depois de, em março, já ter sido suspenso do cargo o presidente executivo da Cambridge Analytica, Alexander Nix. Em causa, para além do uso indevido de dados do Facebook, estão também as estratégias que a empresa desenvolvia para ajudar os clientes a atingirem os seus objetivos.

Esta consultora trabalhou com a campanha de Donald Trump em 2016, na corrida à presidência da Casa Branca. Trump venceu e é, hoje, o Presidente dos Estados Unidos. Mas a empresa é acusada de se ter apropriado de dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook, recolhidos por um académico, usando-os depois para segmentar campanhas na rede social.

Segundo o The Wall Street Journal, a decisão do fecho de portas estende-se também à empresa-mãe, o grupo SCL, que também deverá deixar de operar a partir desta quarta-feira, confirmou ao jornal o fundador, Nigel Oakes.

A polémica do uso indevido de dados levou o Facebook a atravessar uma crise como nunca antes tinha acontecido na empresa. Mark Zuckerberg, presidente executivo, que criou a rede social quando tinha 19 anos, teve mesmo de responder a centenas de perguntas de políticos norte-americanos em duas audições no Congresso dos Estados Unidos. Está também em cima da mesa a hipótese de vir a responder aos eurodeputados no Parlamento Europeu.

(Notícia atualizada às 19h53 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cambridge Analytica vai à falência depois do escândalo do Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião