Zuckerberg pede desculpa no Parlamento Europeu: “Não fizemos o suficiente” para evitar a fuga de dados

  • Rita Frade
  • 22 Maio 2018

Zuckerberg esteve, pela primeira vez, em Bruxelas para explicar o que pretende fazer para "defender os cidadãos europeus" antes das próximas eleições europeias.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, esteve esta terça-feira no Parlamento Europeu a prestar esclarecimentos sobre a forma como a rede social trata os dados de milhões de utilizadores, depois do escândalo Cambridge Analytica.

Durante a audição, Zuckerberg admitiu que a empresa “não fez o suficiente” para evitar a fuga de dados, voltando a pedir “desculpa” pelo erro cometido. O CEO da rede social acrescentou, ainda, que a regulação é “importante e inevitável”.

Inicialmente a sessão era para decorrer à porta fechada, mas como a notícia não caiu bem junto dos membros do Parlamento, o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, acabou por emitir, mais tarde, um comunicado a anunciar que a audição iria ser transmitida na internet.

De acordo com Antonio Tajani, este encontro com os eurodeputados teve como objetivo perceber o que Mark Zuckerberg pretende fazer para “defender os cidadãos europeus”, antes das próximas eleições europeias.

Esta foi a primeira vez que o fundador do Facebook pisou solo europeu para responder às perguntas dos eurodeputados, depois de já ter enfrentado o Congresso dos Estados Unidos, em duas audições distintas: primeiro ao Senado e depois à Câmara dos Representantes.

A comissão parlamentar de Assuntos Digitais, Cultura, Media e Desporto também já pediu a Zuckerberg que se reunisse com o Parlamento britânico, mas o fundador do Facebook recusa-se a fazê-lo.

As audições ao fundador da rede social surgem depois de ter sido revelado que a consultora norte-americana, a Cambridge Analytica, acedeu de forma indevida a dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zuckerberg pede desculpa no Parlamento Europeu: “Não fizemos o suficiente” para evitar a fuga de dados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião