Ex-BdP integra grupo que quer nova estratégia para o Montepio

  • Lusa
  • 7 Junho 2018

João Costa Pinto, antigo vice-governador do Banco de Portugal e ex-presidente do Crédito Agrícola, está a trabalhar com mais associados numa nova estratégia para a Associação Mutualista Montepio.

O antigo vice-governador do Banco de Portugal (BdP) e ex-presidente do Crédito Agrícola João Costa Pinto está a trabalhar com mais associados numa nova estratégia para a Associação Mutualista Montepio, quando há várias movimentações a pensar nas eleições de dezembro.

“Foi-me perguntado se como associado há anos da Associação Mutualista Montepio Geral estaria disponível para participar num esforço, num trabalho, que conduzisse efetivamente ao seu relançamento. Disse que sim, sem me candidatar a nada, sem me propor a nada”, afirmou João Costa Pinto à Lusa.

O economista disse que a “reflexão sobre o Montepio” em que participa é diferente do grupo que hoje à tarde promove em Lisboa um debate sobre a Associação Mutualista Montepio Geral e as alterações ao Código Mutualista, mas recusou dizer que outras personalidades estão com ele nesta “reflexão”, afirmando apenas que é “gente experiente e com prestígio”.

“Não tenho nenhum tipo de contacto com esse grupo que em boa hora está a lançar este processo e movimento de reflexão”, acrescentou, considerando que há preocupações sobre a Mutualista que são comuns a muitos associados.

João Costa Pinto tem uma carreira ligada à banca, tendo sido vice-governador do Banco de Portugal (com António de Sousa como governador), presidente da Caixa Central de Crédito Agrícola entre 2002 e 2013 e presidente do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal entre 2014 e maio último, tendo liderado a equipa que avaliou a atuação da supervisão no caso BES (tendo sido apenas conhecidas as conclusões desse trabalho e não o relatório completo).

Hoje à tarde, pelas 17h45, acontece uma sessão de reflexão sobre o Montepio, no Auditório Montepio Geral, em Lisboa.

A sessão terá como moderador Luís Campos e Cunha (professor de Economia na Universidade Nova de Lisboa e ex-ministro das Finanças durante quatro meses no governo PS de José Sócrates) e contará com a presença de Fernando Ribeiro Mendes (economista e professor no ISEG, administrador da Associação Mutualista Montepio, mas que já se afastou publicamente da gestão de Tomás Correia), Alexandre Abrantes (professor de Saúde na Universidade Nova, que foi co-autor em 2015, com António Godinho, do livro “Renovar o Montepio), Eugénio Rosa (economista ligado ao PCP) e Lúcia Gomes (advogada).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-BdP integra grupo que quer nova estratégia para o Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião