Portugueses queixam-se mais dos serviços públicos. Reclamações aumentam 40%

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 8 Junho 2018

Portal da Queixa registou um aumento de 40% nas reclamações dirigidas a serviços públicos entre janeiro e maio. Só a Segurança Social foi alvo de 881 reclamações.

Nos primeiros cinco meses do ano, o Portal da Queixa registou um aumento de 40% nas reclamações dirigidas a serviços públicos. Segurança Social, Serviço Nacional de Saúde (SNS) e Centro Nacional de Pensões são os organismos públicos com maior nível de reclamações em 2018.

Só entre janeiro e maio, foram dirigidas 881 reclamações relativas à Segurança Social, indica informação publicada no site. Já o SNS contou com 273 reclamações, sobretudo relacionadas com falhas no atendimento. Em terceiro lugar surge o Centro Nacional de Pensões, com 264 reclamações. Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), Autoridade Tributária e Aduaneira e Ministério da Educação e Ciência são as entidades que se seguem.

Embora a Câmara Municipal de Oeiras surja em 12º lugar, esta autarquia está em destaque por registar uma subida de 280%, para 38, no número de queixas, comparando com 2017. As 115 queixas relativas ao Instituto dos Registos e Notariado (IRN) representam uma subida de 219% e as 179 reclamações contra o IMT implicam um crescimento de 198%. Ainda assim, o IMT surge como a entidade em destaque no que toca à resolução de reclamações junto dos consumidores, já depois da publicação no Portal da Queixa. Segue-se o Ministério da Educação e da Ciência e o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Já entre as entidades que mais responderam aos consumidores estão as Câmaras e Lisboa e de Vila Nova de Gaia, que deram resposta a todas as reclamações.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses queixam-se mais dos serviços públicos. Reclamações aumentam 40%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião